Hora da Aventura RPG – Grupo No Fucking Way

Olá, Galerinha!

Os dias foram meio corridos aqui pelas terras do cuscuz com ovo e pão com mortadela, mas não podemos deixa de pegar nosso trem. Não dá pra parar! Esta semana vamos dar sequência a nossas viagens e desta vez vamos voltar à terra de Ooo para falar de um novo grupo de heróis. Então um abraço a todos e vamos que vamos!

Sobre esta publicação

Após a nossa resenha sobre a Hora da Aventura RPG e com a chegada desse material finalmente às mãos dos leitores, eu vejo a galerinha querendo arrancar os cabelos da cabeça em um êxtase delirante. Então, acho que podemos começar a nos animar para produzir coisas bacanas pra ele. E, claro, não poderia deixar de falar, galera, que o livro ficou “BA BA DO”. A retropunk botou pra quebrar! Ficou tão bom quanto sua versão gringa. O papel de ótima qualidade, além de manter o mesmo tamanho do original. Deixo meus parabéns pelo trabalho dessa galera que vem inovando no mercado rpgístico.

Para nosso encontro de hoje gostaria de apresentar um grupo de heróis totalmente inusitados os “No Fucking Way”.

Analisando a criação de sistemas

Olá pessoas!
Bem-vindos a mais uma postagem do Santuário do Mestre. Para quem não lembra (ou não viu), há duas semanas eu falei sobre o Gaia RPG, o sistema que estou desenvolvendo para fantasias medievais e que pretendo que seja gratuito, aberto e acessível. Na postagem, eu comentei que o jogo ainda precisa da realização de alguns testes fechados para que possa ser distribuído, e justamente no dia 01 de outubro tivemos o nosso segundo playtest na primeira edição do novo evento aqui do site, o Encontros Mundos Colidem de RPG (ou apenas EMC). Não entrarei em detalhes, uma vez que este é um assunto para outra postagem, mas o resultado foi muito positivo e alguns ajustes já foram feitos e outros estão sendo analisados. Contudo, eu abri a postagem de hoje falando sobre isto pois o assunto que abordarei trata-se justamente do processo para a criação de sistemas.

Entre Escrita, World RPG Fest e Garotas Mágicas

Olá,

Escrever é um exercício que exige prática. Sim, há a necessidade de saber colocar de forma clara as ideias amorfas que estão no pensamento, afinal a escrita é um ato de comunicação – mesmo que seja de você para com você mesmo – mas ela exige prática, hábito. É preciso estar habituado a sentar de frente pra tela do computador ou pra uma folha de papel e não se perder no vazio que ela apresenta. É preciso estar habituado a utilizar aquele vazio pra moldar em palavras as ideias que flutuam em sua mente. Obviamente há técnicas que auxiliam a escrever, como uma grande quantidade de leitura, saber a que público está se dirigindo, o domínio ortográfico do idioma, etc., mas se você não tiver o hábito, a prática, tais técnicas se perdem. É por isso que pra quem não vive da escrita, quem não paga as contas com o dinheiro que recebe por escrever, quem escreve de forma amadora ou por hobby, a prática, o hábito da escrita vem do prazer, do gosto por ela.

E, às vezes, eu esqueço disso. E por esquecer, acabo soterrado por questões e elementos que não têm importância por eu escrever por hobby, resultando até em sintomas similares ao de bloqueio do escritor. Pra minha sorte, sou abençoado com pessoas em minha vida que aqui e ali, mesmo sem saber que o fazem, me desenterram dessas coisas e eu acabo relembrando que escrevo porque gosto, não porque preciso fazer pra ganhar dinheiro pra conseguir pagar as contas do mês. E o agradecimento desta vez vai pra Nina Bichara, eterna colega do Toca do Hutt, que atualmente escreve pro Garotas Geeks e você pode encontrá-la em alguns streams de RPG, além de colaborando na Dragão Brasil e atuando como editora da Aster (que já iniciou seu mais recente financiamento coletivo, do Sombras Urbanas, que você pode encontrar aqui). Obrigado, Nina! E #FicaNina!

Índice Mundos Colidem FAE

Olá eu sou o Lima, Raphael Lima.

 

Essa semana, na Caixa do Lima (outrora Nomos), esta coluna onde vos falo quinzenalmente, apresento a vocês o índice de artigos sobre o Fate Acelerado que foram publicados no Mundos Colidem. Um pouco de história (ou estória, como preferirem): na última reunião anual do MC, que ocorre no mês de dezembro, foi levantada a questão sobre produção de artigos para iniciantes, para aqueles que ouviram falar, jogaram, mas ainda não entendem o que é RPG. Com essa demanda constatada, algumas diretrizes foram estabelecidas, e duas são especiais para esta coluna:

  1. produzir material autoral digital gratuito; no qual estamos atingindo os objetivos, e aproveito o ensejo e os convido a conhecerem o Medievo RPG: Fantasia Medieval na Baixa Idade Média e o Sobreviventes: um jogo minimalista de sobrevivência pós-apocalíptica;
  2. produzir material acessível para iniciantes, tais como dicas para narradores, resenha de sistemas amigáveis e artigos sobre teoria do RPG, que podem ser encontrados também nas colunas Encruzilhada dos Mundos e Espaço Mítico, domínios dialéticos do “Papai Smurf” Petras Furtado e de Joka, uma das poucas criaturas que mantém a sanidade nesse caos onde Mundos Colidem.

Gostaria de agradecer aos leitores do MC que sugeriram a compilação desse índice de postagens do Fate Acelerado, e que atendendo aos desejos dos que anseiam por mais aventuras prontas, adaptações, fichas e dicas para o sistema estamos tentando voltar a normalidade, e em breve teremos novidades. O índice vai trazer apenas as postagens referentes a adaptações, criação e sugestão de regras e produções de cenários autorias do MC.  As postagens sobre fichas de adaptações e as resenhas de sistemas ficaram de fora dessa lista, por não serem o objetivo desta compilação.

“Vocês estão prontos, crianças?”
“Estamos, capitão!”

Bob Esponja, abertura

Como apresentar “sistemas pesados” a jogadores iniciantes

Saudações, aventureiros.

Após uma semana de quinze dias, retorno ao Enclave do Arquimago, e no artigo de hoje vou falar um pouco sobre como tenho apresentado sistemas considerados pesados à jogadores iniciantes, dentro do projeto Mundos de Dados e Papel, que coordeno na Instituição de ensino que leciono.

Sobreviventes: um jogo minimalista de sobrevivência pós-apocaliptica

Sim, este é outro jogo sobre o apocalipse zumbi. A diferença é a sua proposta para jogos curtos e casuais, onde o jogador é uma sobrevivente, tentando alcançar um tipo de santuário cuja existência ela descobriu ao longo de sua jornada, através das histórias de outros sobreviventes. Mas a sua localização é desconhecida. Nada é certo.

— Sobreviventes

Sistema Gaia RPG

Olá pessoas!
Bem-vindos a mais uma postagem do Santuário do Mestre. Estavam com saudades? Quem vem acompanhando as minhas postagens sabe que no mês passado eu conclui uma adaptação do anime e mangá Naruto para Savage Worlds, que foi dividida em sete partes (veja a sua introdução na Parte 01 e demais partes nos links da própria postagem). Após esta trabalheira toda, e devido as atribuições da vida, acabei precisando de algumas semanas de folga (agradeço aos meus 2d6 leitores pela paciência). Neste meio tempo, algumas das previsões que fiz infelizmente acabaram não se cumprindo, atrasando parte do meu cronograma de postagens (como a chegada de alguns livros que financiei e os quais quero muito resenhar aqui). Entretanto, durante a minha folga, eu trabalhei na produção de um material em especial. Estou falando do meu novo sistema, o Gaia RPG, sobre o qual falarei hoje.

Encontros do Mundos Colidem

Olá,

Esta é uma postagem informativa sobre as novas ações do Mundos Colidem em relação aos eventos, que ele tenha organizado ou não, a partir de outubro. Ela pode ser compreendida mais facilmente como a postagem das mudanças nos nossos eventos e as explicações do porquê de tais mudanças.

A Jornada do Narrador em Medievo

Olá eu sou o Lima, Raphael Lima.

 

Essa semana no Nomos, esta coluna que vos falo quinzenalmente daremos sequência a postagem sobre a Jornada do Herói no Medievo, dessa vez intitulada A Jornada do Narrador em Medievo. Na postagem anterior, abordamos a mecânica de construção de personagens e neste texto pretendo trazer algumas orientações para os narradores que pretendem narrar Medievo: um esboço sobre o tema e tom do cenário, dicas para a organização de uma aventura, interpretação e improviso, criando desafios e as ferramentas do narrador.

Vampiro a Máscara: Resenha

Olá, galerinha!

Após um longo período de hibernação, chegou o momento de retornar às atividades! Sejam bem-vindos à Estação das Brumas. A chave do conhecimento está em suas mãos, não importam as ameaças, promessas ou mentiras, se feita por deuses ou demônios, tudo o que importa é sonhar! Desta vez, nossa viagem nos leva a um lugar envolto em intrigas perdidas pelo tempo e pelo desejo do sangue.