Tocados pelo Terror – Cenário de terror de bolso

Sejam bem vindos, caros leitores, à coluna desta semana. Meu nome é Joka e sou responsável pela Espaço Mítico. Hoje, eu apresento a vocês um micro-cenário de terror pós-apocalíptico para 3D&T Alpha que vem sendo desenvolvido por mim em um jogo que estou narrando e que acabou servindo como uma luva para o Concurso Alphaversos.

O nosso amigo Leishmaniose,que escreve na coluna Lugar Nenhum, publicou recentemente sobre a participação da equipe Mundos Colidem no Concurso Alphaversos, promovido pelo site RPGista, onde você pode conferir o resumo dos nossos micro-cenários e aqui no Mundos Colidem, a íntegra do fabuloso cenário de Leishmaniose, o Yousei, bem como Afro-Rangers, o empolgante cenário de Raphael Lima. E seguindo a mesma linha, para ajudar a divulgar o concurso e os cenários, trago para vocês o Tocados pelo Terror em uma versão estendida.

Pintura do artista Zdzisław Beksińsk

Tocados pelo Terror

Quando o fim da civilização chegou, não foi com bombas ou tiros, mas com gritos. Longos e assustadores gritos na calada da noite.

Os pesadelos, anteriormente presos à dimensão dos sonhos da humanidade, agora tomavam forma física e devoravam suas vítimas. Centenas de milhares de pessoas pereceram ante os inimigos criados pelos seus piores desejos, impulsos e pensamentos. Monstros que são a encarnação da culpa, do medo e dos crimes que os seres humanos cometiam. Frutos de um inconsciente coletivo carregado de uma energia negativa tão forte, que chegou a transbordar para a nossa realidade, como uma barragem que estoura. Os primeiros lugares a sucumbir foram os grandes centros urbanos, e à medida em que o tempo passava, mais e mais os pesadelos se espalhavam pelo planeta, até atingir as pequenas cidades e vilas.

Mas em um certo momento, a humanidade aprendeu a adaptar-se. Passou a reconhecer os sinais de lugares tomados pelos pesadelos, apelidados de Zonas de Terror. Perceberam que viver em um lugar onde havia muitas pessoas juntas trazia o risco de atrair estas criaturas, obrigando os sobreviventes a juntarem-se em pequenas comunidades isoladas, verdadeiros enclaves que só conseguiam manter contato entre si através daqueles corajosos o suficiente para passar próximo às zonas e estabelecer uma forma de comércio baseada em escambo.

A necessidade de obter utensílios para sobreviverem, alimentada pela esperança de poder lutar contra os pesadelos fez com que algumas pessoas se arriscassem em incursões pelos locais onde os monstros viviam. Os poucos que conseguiam retornar estavam completamente transtornados, contando histórias assustadoras e insanas sobre lugares onde o tempo e o espaço não respeitavam nenhuma lei da natureza. Áreas tomadas por pesadelos ávidos para predar novas vítimas e delas extrair a energia negativa criada por meio da dor, do sofrimento e da loucura. E que aqueles que morriam, retornavam como novos pesadelos, prontos para perseguirem seus entes amados.

Até que um dia, alguns sobreviventes das zonas de terror conseguiram voltar intactos. Pessoas que muitas vezes estavam presas há anos, meses ou dias nos labirintos dos pesadelos, retornavam contando que conseguiram destruir um deles. Estas pessoas passaram a ser chamadas de Tocados. Elas carregavam uma marca, uma espécie de aura que as pessoas normais podiam sentir e que revelavam a íntima relação com os monstros que elas venceram, concedendo uma resistência anormal à insanidade causada pelas zonas de terror e também habilidades sobrenaturais capazes de rivalizar com as dos piores pesadelos.

Esta novidade acendeu uma centelha de esperança na humanidade pela possibilidade de reconquistar o seu mundo. Entretanto, alguns desses Tocados formaram cultos aos pesadelos e buscaram aumentar seus poderes sacrificando seus semelhantes aos monstros da noite, dominando pelo medo o que sobrou da humanidade e despertando assim, a desconfiança em relação aos seus supostos salvadores.

Pintura do artista Zdzisław Beksiński

Zonas de Terror

As zonas são áreas onde a realidade foi afetada pela energia negativa dos pesadelos, a tal ponto que eles são capazes de moldar o ambiente a seu bel prazer. Estes lugares são verdadeiros labirintos, que expõem como uma ferida aberta os desejos e crimes que deram origem aos monstros que nelas habitam. Para chegar até um desses lugares, é necessário primeiro passar por uma espécie de entrada, chamada pelos Tocados de Portal. Esta passagem não é exatamente como uma porta, podendo assumir diversas formas diferentes, dependendo do pesadelo que lhe deu origem. Como olhar para um estranho quadro intacto em uma casa abandonada, caminhar em uma rua coberta de neve em pleno verão ou adentrar pela uma porta de um hospital abandonado para se descobrir em um hospital novo em folha e em pleno funcionamento, com seus médicos e enfermeiros.

Estes Portais levam até uma intersecção entre o mundo real e a dimensão invasiva do terror, que é um tipo de labirinto construído pelo próprio pesadelo para aprisionar suas vítimas e a partir delas criar mais monstros. Assim, para fechar de vez o Portal, é necessário destruir ou retirar o Grilhão de lá, uma espécie de objeto ou pessoa ligada misticamente ao pesadelo. Sem ele, o pesadelo não pode habitar o plano material e manter a zona, levando-o à destruição. Ao mesmo tempo, enquanto o Grilhão não for resolvido, o pesadelo não pode ser verdadeiramente exterminado. Mesmo que seu corpo seja destruído fora ou dentro da zona de terror, em pouco tempo ele retorna para assombrar suas vítimas. Mais de um Tocado achou ter derrotado um pesadelo após uma dura batalha, apenas para encontrá-lo na sala seguinte, intacto.

Pesadelos

Os pesadelos habitam, em sua grande maioria, os centros urbanos onde antes havia enormes concentrações de pessoas. Isto acontece porque lá existe uma forte ressonância com a energia negativa acumulada pelos medos e pecados cometidos pelas pessoas que lá viviam. Quanto mais vítimas são devoradas por um pesadelo, mais poderoso e complexo ele se torna, gerando também novos pesadelos em um círculo vicioso sem fim, até que o último ser humano pereça em suas zonas de terror. Entretanto, os mais poderosos não conseguem encarar a luz do dia ou sequer sair de sua zona, por isso atraem suas vítimas até o seu território utilizando-se de humanos degenerados ou pondo coisas que os sobreviventes precisam, como comida, água e suprimentos.

Eles podem assumir todo tipo de forma, como um carro assombrado pelo orgulho de seu dono, um lobisomem gerado pela fúria de um marido violento ou mesmo uma aranha que se alimenta da inocência das crianças. Quando um pesadelo morre, a zona de terror que ele dominava se desfaz e a realidade volta a seu estado normal. Se algum outro pesadelo não invadir a área, é possível até mesmo reabitá-la.

Criando um pesadelo

Toda zona de terror possui um pesadelo que lhe dá forma e tema. Eles são reflexos direto do medo e dos crimes daqueles que lhe deram origem. Todo ser humano é um potencial criador de pesadelo. Mesmo longe das zonas de terror ou isolado do contato com muitas pessoas, eles ainda podem surgir. Para que um pesadelo nasça, basta que alguém sinta um medo tão poderoso e primal — ou cometa um crime tão terrível — que é capaz de gerar em seu inconsciente um sentimento de culpa avassalador. Como um pai, que dominado medo de ver os filhos perderem sua inocência, cria um pesadelo que sequestra crianças e alimenta nelas uma inocência tão pura que as torna cruéis e malignas. Ou uma pessoa tão egoísta, que ao se importar mais com um carro do que com seus entes queridos, transforma seu veículo em um pesadelo devorador de pessoas para mantê-lo jovem e belo.

As possibilidades são infinitas.

Criando sua própria cidade do terror

Para criar sua versão de cidade em Tocados pelo Terror, basta que você escolha alguma cidade real (ou crie alguma fictícia) em um país e estado que lhe interesse e povoe locações dos bairros com Zonas de Terror, indicando prováveis locais onde os sobreviventes possam ter se escondido. O ideal — e mais fácil — é escolher uma cidade que você conheça bem e faça dela o seu próprio modelo. Todas as cidades possuem histórias tristes sendo contadas diariamente nos jornais ou locais assombrados e temidos pela população, seja esse temor real ou criado pelo folclore local. Isso facilita criar histórias com as quais seus jogadores se identifiquem, tornando-as mais críveis.

Um exemplo que podemos citar é uma cidade no interior do Rio Grande do Norte, onde há um local conhecido pelos moradores como Árvore do Suicídio. É muito comum, todos os anos, surgirem histórias envolvendo essa árvore — desde fantasmas vingativos a corpos pendurados — para assustar a população. Isso já é o suficiente para muitas histórias tendo como centro esta árvore, que atua como um pesadelo que carrega a dor e o sofrimento daqueles que lá morreram. Para ajudá-los a criar sua própria cidade do terror, apresentamos abaixo uma adaptação da cidade do Natal, localizada no estado do Rio Grande do Norte.

Natal do Terror

Natal é uma cidade tomada por um poderoso pesadelo que mantém quase toda a área urbana sob uma eterna nevasca congelante de cinzas. Os que tomam coragem para entrar, contam que o som baixo e ininterrupto de um coro de crianças cantando músicas natalinas, chega quase a ensurdecer com o tempo. Corpos de pessoas congeladas ou soterradas por cinzas estão espalhadas por todo o lugar. Mas não há crianças mortas. Elas podem ser vistas perambulando pela cidade com um olhar maldoso e um sorriso maníaco, com os dentes afiados como presas completando sua aparência assustadora. Elas estão sempre em busca de novas crianças para entregar ao Velho do Saco; enquanto os adultos são devorados por elas. Dizem que o pesadelo reside na antiga Praça da Árvore, local em que antes dos pesadelos surgirem, ficava uma enorme árvore coberta de luzes, como uma eterna homenagem ao nome da cidade.  Apesar do Velho do Saco afetar quase toda a cidade com sua Zona de Terror, outros pesadelos perambulam e possuem pequenas zonas onde capturam vítimas para si, na tentativa de criar um espaço particular.

Vila de Planalto

Um lugar ficou conhecido como referência aos que sobreviveram e lutam contra os pesadelos: a Vila de Planalto. Localizada entre diversos morros de dunas, a vila fica em um antigo bairro residencial, afastado do restante da cidade. Graças à atuação de vários Tocados, o lugar pôde começar a tornar-se uma comunidade, à medida em que as pessoas eram salvas e recursos da cidade eram resgatados.

NPC’s Importantes

Velho do Saco. Um pesadelo com forma humanoide, aparentando um homem com seus setenta anos, vestido com um fraque sujo e esburacado de cor vermelho-sangue e adereços brancos. Por onde transita, um fusca bonito e adornado o acompanha, tocando uma música natalina no máximo volume, anunciando sua chegada .

Carlos Alves, Líder comunitário da vila do Planalto. Sempre com o olhar cansado de quem dificilmente dorme, Carlos é respeitado por todos os moradores da comunidade. Recentemente tem estado em alerta, desde que vários viajantes que passavam pela vila começaram a desaparecer.

Padre Francisco. Um devoto que acredita nos pesadelos como provações colocadas por Deus para testar aqueles que desejam entrar no reino dos céus. Ultimamente, tem agido de forma estranha, dificilmente sendo visto à luz do dia e mantendo-se trancado em seu pequeno casebre.

Regras Especiais do cenário

Tocados pelo terror é um cenário pós-apocalíptico onde os personagens possuem poderes sobrenaturais que lhes foram concedidos pelas próprias criaturas contra as quais lutam. Os personagens podem variar de 5 pontos (Novato) a 7 pontos (Lutador) na pontuação inicial, por fazerem parte dos poucos capazes de fazer frente aos monstros, mesmo que nem sempre consigam vencê-los definitivamente. Todos os personagens devem começar com a desvantagem Má Fama, devido ao incômodo causado pela energia do pesadelo presente em um Tocado. Praticamente todas as vantagens estão liberadas, a critério do narrador, com exceção daquelas ligadas ao uso de magia — embora algumas possam ser utilizadas, mediante uma boa justificativa e com a aprovação do Mestre. As Vantagens Únicas podem ser adquiridas, como o efeito causado pelo poder do Pesadelo no personagem. Ainda assim, Construtos só podem ser adquiridos com autorização do Mestre. Opcionalmente, é possível utilizar as regras de mácula do Manual do Defensor (pág. 15) para representar o domínio dos pesadelos sobre os personagens toda vez que eles fazem incursões nas zonas de terror.

Sugestão de personagens jogadores

● Um sobrevivente da zona de terror, que passou tanto tempo preso que hoje não sabe a diferença entre realidade e pesadelo.
● Um saqueador de ruínas, que busca encontrar o máximo de recursos possíveis para reconstruir a civilização.
● Um possuído, que vendeu toda sua humanidade para lutar contra os mesmos monstros que lhe deram poderes.
● Um vingador, que busca encontrar sua família presa nas zonas de terror.

Ganchos de aventuras

● Um vendedor de “poções milagrosas” passa pela vila e vende uma poção a uma senhora com a promessa de curar a doença de seu filho. A subsequente morte da criança e loucura da mãe fazem com que a cada passagem do vendedor, pessoas desapareçam misteriosamente.
● Uma criança é sequestrada na vila, arrastada pelas crianças do velho do saco. Resta aos personagens a resgatarem antes que se torne um monstro.
● Em uma misteriosa casa do século 19, uma mulher conhecida como Viúva Machado (ou Papa Figo) atrai pessoas para seu interior, ao lhes pedir socorro ou oferecer abrigo. Uma vez no interior da casa, as vítimas têm seu fígado devorado, para manter a Viúva Machado eternamente jovem.

Antagonistas

Pesadelos Menores F0-2, H0, R2, A0-1, PdF0-1. Vantagens e Desvantagens: Patrono.
Crianças do Velho do Saco F2, H0, R2, A0, PdF0. Vantagens e Desvantagens: Modelo Especial (pequeno), Paralisia, Arena (Enquanto estiver na Zona de Terror do Velho do Saco).
Fusca do Velho do Saco F3, H1, R2, A1, PdF0.Vantagens e Desvantagens: Modelo Especial (é um carro), Aceleração, Ambiente Especial (não pode ficar afastado da Zona de Terror), Ataque Poderoso 1 (Atropelar), Paralisia (farol alto cegante).

Para inspirar

Listamos abaixo algumas boas referências que serviram de inspiração para o desenvolvimento deste cenário. Praticamente qualquer obra de terror pode ser transformada em um pesadelo e isso ajuda bastante ao narrador criar aventuras novas. Quem nunca quis enfrentar o Freddy Krueger?

Anime/Mangá: Darkstalkers, Puella Magi Madoka Magica, Kekkai Sensen, Yu Yu Hakusho.
Filmes: Cidade das Sombras, A hora do pesadelo, A Coisa, Clown.
Livros: Praticamente todos os livros de Stephen King e Joe Hill.
RPGs: Monstro da Semana, Mutante Ano Zero, Call of Cthulhu, Little Fears.
Video Games: Dying Light, Alan Wake, The Evil Within, Persona, Until Dawn e a série Silent Hill.

Considerações

Este é o cenário em uma versão um pouco mais estendida, já que existia um limite de 1.500 palavras, o que atrapalhava um pouco minha vontade de mostrar toda a amplitude dessa proposta.

Espero que tenham gostado! Deixem seu comentário com sua opinião, e quem sabe assim eu possa melhorar ainda mais este cenário que tem sido minha proposta narrativa para meu grupo nestes últimos meses.

Abraços!

2 Comentários

  1. Silas Limasays:

    Muito bom o cenário! Parabéns! Vou aproveitar em outros sistemas também!

  2. Jokasays:

    Olá Silas! Obrigado pelo feedback! Eu também fiz uma adaptação para Fate e Fate Acelerado (FAE) que você pode conferir aqui: https://mundoscolidem.com.br/tocados-pelo-terror-fate-fae/

    Em breve eu devo fazer novas modificações no cenário a partir das sugestões dos jurados do concurso Alphaversos, então fique ligado que deve vir novidades. =D

Deixe uma resposta