Espada & Planeta [Sword & Planet]

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

Essa semana a Caixa do Lima vem com uma postagem curtinha, mas com uma “pequena” surpresa para os leitores desta coluna: mais um minijogo com o selo Mundos Colidem de qualidade, utilizando o sistema Lima Lite, o mesmo que dá vida aos outros jogos mínimos apresentados nesta coluna (como Sobreviventes, Cruzados e Potiguares). A família de minijogos do MC ganha mais um integrante, o Espada & Planeta

Regras rápidas para Espada & Feitiçaria

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

 

Nos últimos anos, a minha vivência com o RPG tomou caminhos bem diferentes dos que o garoto de 13 anos que jogou AD&D em meados de 1995 escolheu, especialmente quando comecei a usar o RPG como ferramenta pedagógica nas minhas aulas. Alguns anos de luta e experiência com o RPG na educação foram relatados no artigo É possível usar o RPG em Sala de Aula? Nesse meio tempo, junto com meus companheiros do Mundos Colidem, durante as nossas conversas online sobre game design, cenários e algumas coisitas mais eu me atrevi a enveredar na produção de jogos, tentando brincar com a arte do design de jogos.

Potiguares: um jogo minimalista sobre o cotidiano indígena

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

No episódio anterior da Caixa do Lima, apresentei um cenário com a temática Afro-futurismo que inscrevi no Concurso Alphaversos, o Afro Rangers, que se passa em um futuro pós apocalíptico, onde a sociedade Iorubana é a única remanescente de um conflito nuclear que ocorreu no século XXII.

Dando sequência às produções autorais, gostaria de apresentar aos meus fiéis leitores o Potiguares: os moradores do Rio Grande do Norte. Trata-se de um minijogo que desenvolvi para a utilizar nas aulas de cultura e tradições indígenas, com foco nos índios Potiguares que habitavam o litoral do estado do Rio Grande do Norte, no nordeste do Brasil.

É possível utilizar o RPG em sala de aula?

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

 

Essa semana na Caixa do Lima (outrora Nomos), esta coluna onde vos falo quinzenalmente (pelo menos me esforço para tanto), venho dialogar com meus poucos e fiéis leitores sobre o uso do RPG na educação.

AVISO:

ESSE ARTIGO RELATA A MINHA EXPERIÊNCIA COM O USO DO RPG EM SALA DE AULA

Desde o meu ingresso na docência por volta do ano de 2007, até os tempos atuais — já são mais de dez anos em sala de aula, até eu me assustei quando fiz essa conta — uma pergunta sempre me perseguiu:

é possível utilizar o RPG em sala de aula?

E após muitos anos de experiências com o RPG em sala de aula, nem tudo são rosas, nem todos os experimentos são exitosos ao longo de um tortuoso caminho de persistência e resistência para chegar ao que consegui hoje — que ainda não é o modelo ideal, mas já mostra muitos avanços na minha pesquisa.

Cruzados: Jornada à Terra Santa

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

Essa semana na Caixa do Lima (outrora Nomos), esta coluna onde que vos falo quinzenalmente, gostaria de apresentar para vocês o Cruzados: Jornada à Terra Santa, o segundo minijogo de minha autoria, dessa vez com uma temática medieval e bastante influenciado pelo Medievo RPG. Segundo minijogo? Mas cadê o primeiro? O primeiro minijogo produzido, Sobreviventes: um jogo minimalista de sobrevivência pós-apocalíptica, aborda um mundo devastado por um apocalipse zumbi. Para ambos os jogos, vocês só precisam de alguns pedaços de papel, lápis, borracha, um punhado de dados de seis lados — os famosos d6 — e uma cópia dos folhetos dos jogos.

Cruzados é um minijogo sobre a Jornada à Terra Santa, onde os jogadores são membros de uma cruzada cristã.

Cruzados, introdução.