A Importância da Narrativa em um Jogo de RPG

Como bons jogadores de RPG, todos nós costumamos nos preocupar com as regras, com os números, as mecânicas e os dados, que transformam nossos cenários em coisas vivas e dinâmicas, adicionando aquele realismo que é instigante na mesma medida em que é desafiante. São esses sistemas, já conhecidos nossos, que nos dão segurança e fazem o mundo que imaginamos saltar aos olhos e trabalhar bem como as engrenagens de um relógio, impulsionando os braços do tempo que gastamos planejando nossas campanhas.

Talvez a mecânica, as regras e o sistema que vamos usar sejam nossas primeiras e mais importantes preocupações, ao que mais nos dedicamos e, algumas vezes, nossa única preocupação. Debruçar sobre um sistema e transportar para ele personagens, aprender suas habilidades, como elas funcionam com as mecânicas, imaginar os cálculos dos dados para que tudo seja bem perfeito e quase automático, a perfeita máquina, funcionando quase automaticamente — e, quando isso acontece, nos traz um sorriso ao rosto e a sensação de um trabalho bem feito.

E então, alguns de nós, param por aí. Afinal, com todo o sistema e a mecânica prontos, as coisas devem quase caminhar sozinhas, certo?

Errado.

Criando aventuras com pouco trabalho… do mestre

Acredito que fiquei um pouco preguiçoso quando o quesito é preparar aventuras de RPG, mas isso não me incomoda nem um pouco e nem me priva da diversão de uma boa aventura, onde quem faz boa parte do trabalho são os jogadores – um trabalho normalmente coroado com grandes interações.

NAS MINHAS EXPERIÊNCIAS (vou deixar isso bem enfatizado), também tenho notado que ao deixar os jogadores participarem da criação da aventura e de seus elementos, o nível de engajamento deles é maior durante as sessões, pois eles deixam de ser agentes passivos da construção do enredo inicial, para agentes ativos. Eles passam a jogar o que desejam, no máximo, com algumas modificações.

Como apresentar “sistemas pesados” a jogadores iniciantes

Saudações, aventureiros.

Após uma semana de quinze dias, retorno ao Enclave do Arquimago, e no artigo de hoje vou falar um pouco sobre como tenho apresentado sistemas considerados pesados à jogadores iniciantes, dentro do projeto Mundos de Dados e Papel, que coordeno na Instituição de ensino que leciono.

Ideias de narração diretas do DMG 4ª Edição

Saudações, aventureiros.

Há pouco tempo me questionei sobre a validade das dicas de narração provenientes de outros sistemas e, independente das edições, as dicas continuam sempre válidas.

No artigo de hoje vou trazer algumas dicas apresentadas no Livro do Mestre do D&D 4ª Edição, que ao contrário do que alguns pensam, não está morto, e a despeito do que um grupo de jogadores acredite, trouxe muitas dicas legais sobre narração — e é sobre ela que vou falar.

Da mesma forma que um escritor de romance, peça ou filme, o mestre cumpre o papel essencial de contar aos jogadores o que está acontecendo no mundo do jogo. Para que o jogo funcione bem, é necessário fornecer uma boa descrição para que os jogadores montem a cena em suas imaginações.

Um monstro, uma campanha

Para o artigo desta semana, havia pensado em fazer uma conversão do personagem Adão, Senhor Sombrio de Ravenloft para a quinta edição, mas percebi que não valeria o esforço, pois o que eu faria não seria uma conversão, mas um ou dois ajustes.

Pensei então em falar sobre “o sistema não importa”, mas aí percebi que isso só levaria a discussões desnecessárias e então me lembrei de um artigo que escrevi um tempo atrás e que repostei no Diário de Campanha sobre os Valpurgeist, criaturas típicas de Ravenloft e que me inspirou para este artigo.