Regras de Sanidade para Espada & Magia

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

 

Nos capítulos anteriores da Caixa do Lima, tenho me dedicado à construção do Espada & Magia, um sistema de regras simples para emular jogos com a temática Espada & Feitiçaria, e nessa jornada para masmorras escuras, contra necromantes ensandecidos sigo na companhia do Mago Petras Furtado, munido de seus conhecimentos arcanos, enquanto o acompanho com o meu arco +3.

Nova Amsterdã Fate Acelerado: Os Mythos de Lovecraft Invadem o Nordeste Holandês

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

Nesse capítulo especial da Caixa do Lima, convido vocês a se imaginarem em uma vila costeira no nordeste brasileiro, durante a dominação holandesa, final da primeira metade do século XVII. Agora acrescente a essa vila, a particularidade de ter sido invadida pelo Mythos de H.P. Lovecraft, em uma amálgama com os seres do folclore local.

Bom, isso é Nova Amsterdã.

Concurso Alphaversos – Indo ao encontro do mais forte!

Olá,

Saudações, 2d8 leitores! Eu sou o Leishmaniose e no capítulo do Lugar Nenhum desta semana faremos uma breve pausa na Dobradinha Naruto, realizada em parceria com a Santuário do Mestre do Tio Lipe, para falar um pouco dos cenários do Mundos Colidem no Concurso Alphaversos organizado pelo site RPGista!

Construindo Cenários em Evolution Pulse – Zona 01917K

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

A Caixa do Lima essa semana continua após a pausa nas publicações do Espada & Magia (E&M), uma proposta de Regras Rápidas para o jogos do gênero Espada & Feitiçaria, que venho desenvolvendo com o Mago Petras Furtado, com base no Sistema de Regras para jogos mínimos Lima Lite, que serve como base aos outros jogos publicados aqui nessa coluna — Sobreviventes, Cruzados: Jornada à Terra SantaPotiguares: os Moradores do Rio Grande do Norte.

Trarei em breve novidades sobre Potiguares nas próximas semanas, e vocês podem encontrá-lo para download nas lojas virtuais do Mundos Colidem no DriveThruRPGDungeonist.

A parada na produção do E&M é por mais uma boa causa: venho compartilhar com vocês o método de construção colaborativa de cenário que realizei com o grupo de jogadores na organização da mini campanha de Evolution Pulse (EP), nomeada de O Que os Executores Ouvem, que começarei a narrar no próximo mês de julho de 2018, nos Encontros Mundos Colidem de RPG (EMC²), sempre contando com aquela ficha marota para os jogadores que aparecerem random, a fim de conhecer o jogo.

Narrando Weird Wars II – Savage Worlds

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.  

A Caixa do Lima essa semana faz uma rápida parada nos artigos sobre Espada & Feitiçaria com foco na produção autoral do Espada & Magia, um conjunto de regras rápidas para jogos ambientados nesse gênero literário com base nas obras de Robert E. Howard e Michael Moorcock — e assumindo um flerte com a obra de Lovecraft.

Venho apresentar aos leitores desta coluna algo que não faço há muito tempo — se é que um dia já fiz (mas acredito ter feito sim) — um relatório de experiência de mesa.

A experiência abordada a seguir é a campanha de Weird Wars II de Savage Worlds, que narrei de janeiro a maio de 2018, totalizando 9 sessões, em um grupo com média de 6 a 9 jogadores. Inicio com uma pequena resenha do livro, seguido de um breve relato de alguns dos melhores momentos da campanha, de dicas para os narradores que desejam narrar no cenário e os pontos positivos e negativos dessa experiência.

Aproveitando o ensejo, também apresento algumas referências para pesquisa e feedback dos jogadores.

Magias para Espada & Feitiçaria

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

No último mês, estive ausente das postagens desta coluna, devido às quests da vida acadêmica — que necessitavam do meu tempo para a escrita de relatórios e artigos de conclusão de curso — mas agora com alguns leões vencidos, e outros amedrontados, espero retomar o ritmo de escrita deste espaço, que sempre foi uma das coisas a manter minha sanidade intacta.

Regras rápidas para Espada & Feitiçaria

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

 

Nos últimos anos, a minha vivência com o RPG tomou caminhos bem diferentes dos que o garoto de 13 anos que jogou AD&D em meados de 1995 escolheu, especialmente quando comecei a usar o RPG como ferramenta pedagógica nas minhas aulas. Alguns anos de luta e experiência com o RPG na educação foram relatados no artigo É possível usar o RPG em Sala de Aula? Nesse meio tempo, junto com meus companheiros do Mundos Colidem, durante as nossas conversas online sobre game design, cenários e algumas coisitas mais eu me atrevi a enveredar na produção de jogos, tentando brincar com a arte do design de jogos.

Afro Rangers: micro-cenário para 3D&T

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

No episódio dessa semana da Caixa do Lima, o papo é sobre um micro-cenário desenvolvido para o Concurso Alphaversos, que ocorreu no último carnaval, organizado pela galera do site Rpgista. Foi uma experiência muito divertida, onde boa parte dos integrantes do Mundos Colidem participaram, como relatado pelo Leish em sua postagem Yousei – cenário de fantasia de bolso.

A diversão se deu pelo fato inacreditável de apenas recentemente eu ter sido apresentando ao 3D&T — pois é, um sistema que está no mercado há tanto tempo e com tanto sucesso — descobrindo um sistema simples, divertido e com muito potencial para produções independentes. Então peguei uma ideia que estava maturando há algum tempo, e o resultado foi o cenário inscrito no concurso, que vou apresentar agora a vocês.

É possível utilizar o RPG em sala de aula?

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

 

Essa semana na Caixa do Lima (outrora Nomos), esta coluna onde vos falo quinzenalmente (pelo menos me esforço para tanto), venho dialogar com meus poucos e fiéis leitores sobre o uso do RPG na educação.

AVISO:

ESSE ARTIGO RELATA A MINHA EXPERIÊNCIA COM O USO DO RPG EM SALA DE AULA

Desde o meu ingresso na docência por volta do ano de 2007, até os tempos atuais — já são mais de dez anos em sala de aula, até eu me assustei quando fiz essa conta — uma pergunta sempre me perseguiu:

é possível utilizar o RPG em sala de aula?

E após muitos anos de experiências com o RPG em sala de aula, nem tudo são rosas, nem todos os experimentos são exitosos ao longo de um tortuoso caminho de persistência e resistência para chegar ao que consegui hoje — que ainda não é o modelo ideal, mas já mostra muitos avanços na minha pesquisa.

Cruzados: Jornada à Terra Santa

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

Essa semana na Caixa do Lima (outrora Nomos), esta coluna onde que vos falo quinzenalmente, gostaria de apresentar para vocês o Cruzados: Jornada à Terra Santa, o segundo minijogo de minha autoria, dessa vez com uma temática medieval e bastante influenciado pelo Medievo RPG. Segundo minijogo? Mas cadê o primeiro? O primeiro minijogo produzido, Sobreviventes: um jogo minimalista de sobrevivência pós-apocalíptica, aborda um mundo devastado por um apocalipse zumbi. Para ambos os jogos, vocês só precisam de alguns pedaços de papel, lápis, borracha, um punhado de dados de seis lados — os famosos d6 — e uma cópia dos folhetos dos jogos.

Cruzados é um minijogo sobre a Jornada à Terra Santa, onde os jogadores são membros de uma cruzada cristã.

Cruzados, introdução.