Dicas de Narrativa: Gênesis – O Céu e a Terra

Olá, pessoal!

Inicialmente, gostaria de me desculpar por ter sido tão apressada na semana passada e esquecido até de apresentar a mim e a minha coluna, como fui lembrada pelo Lipe! Eu sou a Cammy Nuwanda, jogadora de RPG por muito tempo, me atrevendo inclusive a narrar algumas aventuras volta ou outra por aí. Como tenho bastante experiência principalmente em Fóruns, onde se faz muito necessário conciliar sistema com uma narrativa mais rica e trabalhada, assim como é necessário um jogo de cintura para improvisação, esta coluna será voltada para ajudar princialmente os iniciantes no mundo da narrativa, tantos os mestres quanto os próprios jogadores, a mergulhar em campanhas que sejam divertidas e recompensadoras para ambas as partes!

A Importância da Narrativa em um Jogo de RPG

Como bons jogadores de RPG, todos nós costumamos nos preocupar com as regras, com os números, as mecânicas e os dados, que transformam nossos cenários em coisas vivas e dinâmicas, adicionando aquele realismo que é instigante na mesma medida em que é desafiante. São esses sistemas, já conhecidos nossos, que nos dão segurança e fazem o mundo que imaginamos saltar aos olhos e trabalhar bem como as engrenagens de um relógio, impulsionando os braços do tempo que gastamos planejando nossas campanhas.

Talvez a mecânica, as regras e o sistema que vamos usar sejam nossas primeiras e mais importantes preocupações, ao que mais nos dedicamos e, algumas vezes, nossa única preocupação. Debruçar sobre um sistema e transportar para ele personagens, aprender suas habilidades, como elas funcionam com as mecânicas, imaginar os cálculos dos dados para que tudo seja bem perfeito e quase automático, a perfeita máquina, funcionando quase automaticamente — e, quando isso acontece, nos traz um sorriso ao rosto e a sensação de um trabalho bem feito.

E então, alguns de nós, param por aí. Afinal, com todo o sistema e a mecânica prontos, as coisas devem quase caminhar sozinhas, certo?

Errado.

A aventura vai começar – Parte II

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

Primeiramente gostaria de desejar um feliz novo ciclo a todos que acompanham a Caixa do Lima, a todos os leitores do Mundos Colidem e aos amantes desse joguinho maravilhoso de rolar dados que surgiu há mais de quarenta anos. E nesse retorno/renascimento das atividades da Caixa, vamos atender a pedidos e falar de Fate, dando sequência a uma das postagens com grande feedback neste ano que se passou. E aproveitando o ensejo e oportunidade, e fazer o jabá para o nosso “Índice Mundos Colidem para FATE Acelerado“. É só clicar e ir para o abraço.

A Aventura vai Começar” foi publicada em 10 de fevereiro de 2017 e abordava dicas para os narradores começarem uma aventura no sistema Fate de forma dinâmica, com sugestões para o processo de construção de personagens, além de algumas pequenas dicas de organização da narrativa. Em A Aventura vai Começar – parte II, a proposta é dar um suporte aos narradores com algumas dicas que podem ser úteis na organização da aventura, e quem sabe, para seu sucesso, garantindo a diversão dos participantes.

Índice Mundos Colidem FAE

Olá eu sou o Lima, Raphael Lima.

 

Essa semana, na Caixa do Lima (outrora Nomos), esta coluna onde vos falo quinzenalmente, apresento a vocês o índice de artigos sobre o Fate Acelerado que foram publicados no Mundos Colidem. Um pouco de história (ou estória, como preferirem): na última reunião anual do MC, que ocorre no mês de dezembro, foi levantada a questão sobre produção de artigos para iniciantes, para aqueles que ouviram falar, jogaram, mas ainda não entendem o que é RPG. Com essa demanda constatada, algumas diretrizes foram estabelecidas, e duas são especiais para esta coluna:

  1. produzir material autoral digital gratuito; no qual estamos atingindo os objetivos, e aproveito o ensejo e os convido a conhecerem o Medievo RPG: Fantasia Medieval na Baixa Idade Média e o Sobreviventes: um jogo minimalista de sobrevivência pós-apocalíptica;
  2. produzir material acessível para iniciantes, tais como dicas para narradores, resenha de sistemas amigáveis e artigos sobre teoria do RPG, que podem ser encontrados também nas colunas Encruzilhada dos Mundos e Espaço Mítico, domínios dialéticos do “Papai Smurf” Petras Furtado e de Joka, uma das poucas criaturas que mantém a sanidade nesse caos onde Mundos Colidem.

Gostaria de agradecer aos leitores do MC que sugeriram a compilação desse índice de postagens do Fate Acelerado, e que atendendo aos desejos dos que anseiam por mais aventuras prontas, adaptações, fichas e dicas para o sistema estamos tentando voltar a normalidade, e em breve teremos novidades. O índice vai trazer apenas as postagens referentes a adaptações, criação e sugestão de regras e produções de cenários autorias do MC.  As postagens sobre fichas de adaptações e as resenhas de sistemas ficaram de fora dessa lista, por não serem o objetivo desta compilação.

“Vocês estão prontos, crianças?”
“Estamos, capitão!”

Bob Esponja, abertura

A Jornada do Narrador em Medievo

Olá eu sou o Lima, Raphael Lima.

 

Essa semana no Nomos, esta coluna que vos falo quinzenalmente daremos sequência a postagem sobre a Jornada do Herói no Medievo, dessa vez intitulada A Jornada do Narrador em Medievo. Na postagem anterior, abordamos a mecânica de construção de personagens e neste texto pretendo trazer algumas orientações para os narradores que pretendem narrar Medievo: um esboço sobre o tema e tom do cenário, dicas para a organização de uma aventura, interpretação e improviso, criando desafios e as ferramentas do narrador.

Os exploradores de hexágonos: Recursos

Os exploradores de hexágonos é uma série de postagens sobre a modalidade de campanha conhecida como hexcrawl-sandbox. Aqui, veremos alguns links sobre o assunto para quem quiser aprofundar sobre o tema, bem como sugestões de materiais para usar na hora de construir seu próprio cenário de exploração hexagonal. A Espaço Mítico é uma coluna escrita pelo colaborador e membro do coletivo Mundos Colidem, Gilberto “Joka” Olimpio, e apresenta um material mais técnico, voltado para ferramentas de mestragem, resenhas, Teoria do RPG e dicas para iniciantes.

Os exploradores de hexágonos: Introdução

Sejam bem vindos a Espaço Mítico desta semana! Após um hiato de quase um mês, voltamos as atividades trazendo uma nova série de postagens que vão ocorrer paralelas ao desenvolvimento do Nova Amsterdã 1646, apelidada de Os Exploradores de Hexágonos. O título estranho da coluna é uma referência direta a um estilo narrativo que remonta aos velhos tempos do Original Dungeons & Dragons (OD&D) e velho conhecido do pessoal Old School Renaissance (OSR) que se perdeu ao longo do desenvolvimento do RPG, mas que tem retomado fôlego nos fóruns e listas de discussão mundo afora: a chamada campanha hexcrawl. Resolvemos abordar este tema aqui devido a incrível série de postagens do nosso amigo e colaborador do blog, Leish, chamada Lá e De Volta Outra Vez que aborda parte do tema principal aqui apresentado que é as regras sobre viagens em ambientes selvagens.

Toda rolagem importa!

E a Espaço Mítico de hoje retorna às origens com mais um artigo sobre narração! Dessa vez trago a vocês leitores, uma preocupação mecânica relativamente nova, mas que vem sendo discutida e aplicada em diversos RPGs indies e mainstream ao longo dos últimos anos: Toda rolagem importa.

Oficinas Interativas

Olá, Camaradas!

 

Muita polêmica sobre RPG ocorreu nesse curto tempo de existência do ano de 2017 — como assim, curto tempo? Estamos quase no meio do ano. Em termos de tempo humano, os dias estão sendo mais curtos, não sei nem se as medidas de segundos, minutos e horas são as melhores formas de calcular o nosso dia. Como diria meu amigo Leish, são as atividades da adultessência ocupando todo nosso tempo, e pela primeira vez estou rabiscando essas linhas aqui de última hora, restando menos de doze horas para essa postagem ir ao ar. E enquanto estava envolto nesse texto, essa questão — que sempre nos ataca com sucesso crítico — me veio à mente: o tempo. E pretendo esboçar apontamentos em uma postagem futura, onde falaremos sobre o tempo e as atividades de RPG, pensando em como conciliar o hobby com a nossa vida.

Ficha de aventura fractal para FAE/Fate

E retornamos as Aventuras Fractais para FAE/Fate da nossa postagem anterior, trazendo agora uma ficha de aventura fractal traduzida para o português da Sophie Lagacé, autora do incrível cenário War of Ashes para FAE. A ficha pode ser encontrada AQUI graças ao nosso poderoso Petras da Encruzilhada dos Mundos que por livre e espontânea pressão elaborou o material para nós. Mas isso não é tudo, em nossas próximas linhas, os ajudaremos a preencher a ficha com uma aventura exemplo para vocês usarem e se divertirem com seus amigos, bastando apenas imprimir e levar para sua próxima sessão!