Naruto para Savage Worlds: Parte VII – Equipamentos

Olá pessoas!
Durante o mês de julho eu passei por uma abstinência de jogos devido alguns problemas, o que me deixou com uma vontade inexorável de jogar qualquer coisa. Isso acabou me levando a devorar o PDF do Shadow of the Demon Lord (mesmo ainda sendo a versão prévia; hoje a versão final saiu e só estou esperando o meu exemplar físico para jogar), RPG financiado com sucesso pela Pensamento Coletivo em 2016 e sobre o qual eu fiz uma resenha aqui. De fato, esta pausa em julho me forçou a engavetar alguns projetos que tenho em mente, uma vez que ainda preciso narrar um RPG de Ryuutama, mas sinceramente espero que este segundo semestre seja longo o suficiente para que eu possa pô-los em prática. Mas chega de papo e vamos a mais uma postagem da minha adaptação de Naruto para Savage Worlds. Só para relembrar, ao longo das postagens eu falei sobre a ambientação geral, criação das personagens, jutsus e suas regras especiais, e finalizei a postagem passada tratando dos principais clãs de Konoha e suas peculiaridades. Hoje, o assunto que abordarei é o que chamaria de passo final para concluir a adaptação. Estou falando dos equipamentos e itens únicos do cenário de Naruto.

Veja também: Parte I, Parte II, Parte III, Parte IV, Parte V, Parte VI.

Naruto para Savage Worlds: Parte VI – Clãs de Konoha

Olá pessoas!
Sejam bem-vindos a mais uma postagem do Santuário do Mestre e da minha adaptação de Naruto para Savage Worlds. Preparados para muito conteúdo? Pois é caros leitores, esta é de longe a maior de todas as postagens desta adaptação (e creio eu que o maior texto que já escrevi para um blog). Mas antes, vamos àquele exercício costumeiro de relembrar tudo o que já foi postado? Na primeira parte resumi a ambientação de Naruto e falei sobre como criar uma personagem para o cenário usando o SW. Na segunda parte apresentei as regras gerais sobre os Jutsus e listei as Técnicas de Chakra, Taijutsus e Genjutsus. Na terceira parte foi a vez de apresentar os Ninjutsus básicos e gerais do cenário. A quarta parte tratou exclusivamente dos Ninjutsus Elementais e suas peculiaridades. Na quinta parte falei sobre Jutsus Médicos e proibidos, além de aprofundar o entendimento sobre o Chakra e os Jutsus em si. Hoje falarei sobre os clãs ninja de Konoha e suas características especiais, desde Vantagens e Complicações novas e exclusivas, até suas técnicas de combate e Jutsus únicos. Lembrando sempre que eu uso como referência as informações contidas no livro da 1ª edição brasileira do SW publicada pela Retropunk em 2013. Certo? Então vamos lá!

Veja também: Parte IParte IIParte IIIParte IV e Parte V.

Naruto para Savage Worlds: Parte V – Chakra e Jutsus Especiais

Olá pessoas!
Sejam bem-vindos a mais uma postagem da minha adaptação de Naruto para Savage Worlds (doravante SW). Como já tem um tempo desde a última parte publicada, e para não perder o costume, vamos revisar brevemente tudo o que já postei aqui desta adaptação. Na primeira parte, resumi a ambientação de Naruto e falei sobre como criar uma personagem para o cenário usando o SW. Na segunda parte, apresentei as regras gerais sobre os Jutsus e listei as Técnicas de Chakra, Taijutsus e Genjutsus. Na terceira parte, foi a vez de apresentar os Ninjutsus básicos e gerais do cenário. A quarta parte tratou exclusivamente dos Ninjutsus Elementais e suas peculiaridades. As partes anteriores abordaram tudo o que eu já havia publicado desta adaptação no passado lá no meu blog pessoal, o Papo de RPGista, tendo sido mais um trabalho de revisão de todas as regras e ampliação do material apresentado. Hoje, porém, trarei para vocês algo completamente novo e que ainda não havia adaptado. Estou falando de Jutsus proibidos e médicos, mas antes explicarei sobre peculiaridades associadas aos Jutsus e uso do Chakra no jogo. Só para deixar claro, eu uso como referência as informações contidas no livro da 1ª edição brasileira do SW publicada pela Retropunk em 2013 (as páginas não são entre as edições).

Veja também: Parte IParte IIParte IIIParte IV, Parte VI.

Resenha: Shadow of the Demon Lord

Olá, pessoas!
Vocês estavam esperando a continuação da adaptação de Naruto para Savage Worlds que eu sei, né? Entretanto, hoje falarei sobre outro assunto, só para variar um pouco. Resolvi fazer a resenha de um material que chamou minha atenção no ano passado e que agora, após a leitura da versão básica do seu PDF, posso afirmar com certeza que tem o potencial para reascender minha paixão por sistemas d20. Estou falando de Shadow of the Demon Lord (“Sombra do Lorde Demônio”, em tradução livre), que foi financiado com grandioso sucesso pela Pensamento Coletivo no final de 2016, chegando a ter um late pledge e ser o maior financiamento coletivo de RPG em terras nacionais em termos de valor arrecadado (até esta data). Antes de começar, porém, saibam que não julgarei aqui a qualidade do PDF apresentado pela editora. O objetivo deste texto é falar apenas do jogo em si, e não sobre um material que ainda nem está pronto (deixarei isto para quando tiver o livro físico em mãos, que espero que saia logo).

Naruto para Savage Worlds: Parte III – Ninjutsus

Olá, pessoas!
Bem-vindos a mais uma postagem do Santuário do Mestre, onde daremos continuidade à adaptação de Naruto para Savage Worlds. Antes de começarmos, porém, vamos relembrar um pouco o que já abordamos nesta adaptação. Na primeira parte, eu apresentei um resumo da ambientação e quais regras usar para uma campanha de Naruto, bem como os critérios a serem adotados para criar uma personagem no cenário, listando Perícias, Complicações e Vantagens que devem ser usadas e vetadas. Já na segunda parte, apresentei os primeiros Jutsus que as personagens podem adquirir, listando Técnicas de Chakra (técnicas especiais que não se encaixam nos três tipos de Jutsus e que não precisam de teste para serem usadas, apenas o gasto de Chakra), Taijutsus (técnicas marciais que complementam as Vantagens de Combate da personagem e permitem a criação de combos físicos; usam Agilidade), e Genjutsus (técnicas que visam a manipulação da mente de seus alvos na forma de ilusões, afetando seus sentidos e emoções; usam Astúcia). Caso não tenham notado, eu fiz uma atualização na última postagem, por isso confiram lá, certo? E hoje apresentarei os Ninjutsus de forma geral.

Veja também: Parte IParte IIParte IV, Parte V, Parte VI.

Naruto para Savage Worlds: Parte II – Jutsus

Olá pessoas!
Em minha última postagem aqui no Santuário do Mestre, eu apresentei a primeira parte da minha adaptação de Naruto para Savage Worlds. Hoje vou direto ao ponto e, conforme prometi no final da postagem passada, começarei a falar sobre os Jutsus. Em mangás e animes do estilo shonen, é muito comum que seus personagens usem poderes especiais ou magias, tendo os seus nomes estilosos gritados a cada uso. Em Naruto não é diferente, e aqui eles são chamados de jutsus (que pode ser traduzido como “técnica”). Entre os mais famosos está a marca registrada do protagonista da série, a “Técnica do Clone das Sombras” ou Kage Bunshin no Jutsu, no original; um jutsu proibido que ele aprende logo no primeiro capítulo do mangá.

Veja também: Parte IParte IIIParte IV, Parte V, Parte VI.

Naruto para Savage Worlds: Parte I – Personagens

Olá, pessoas!
Bem-vindos a mais uma quarta-feira no Santuário do Mestre. Semana passada foi bem atribulada para mim, e esta começou ainda mais ocupada, o que acabou por cortar boa parte do meu tempo livre para leitura e escrita. Mas isto não me impediu de participar na semana passada do Terças do RPG, o que já está virando rotina minha comentar sobre, seja por aqui ou no meu blog pessoal. De fato, minha mesa foi a única que ocorreu no evento, e a experiência foi extremamente satisfatória. Não vou entrar em detalhes, uma vez que a aventura que narrei será tema de uma postagem futura, por isso aguardem. Falando em postagens, em minha última aqui no site apresentei uma aventura one-shot e cinco fichas de personagem de Ryuutama para que vocês tenham uma melhor ideia de como funciona o sistema e possam testá-lo. Hoje, porém, resolvi voltar a um tema que já abordei no passado: adaptações. E a adaptação de hoje é mais do que especial, pois tratarei de um tema que domino bem. Estou falando de Naruto.

Veja também: Parte II, Parte III, Parte IV, Parte V, Parte VI.

Aventura e Personagens para Ryuutama

Olá pessoas!
Duas semanas atrás, no dia 11 de abril de 2017, eu tive a oportunidade de narrar uma aventura one-shot que criei para Ryuutama no Terças de RPG, evento organizado aqui em Natal/RN pela equipe do Mundos Colidem, onde trazemos semanalmente duas mesas com sistemas diversos para a galera experimentar. Eu já havia comentando sobre isso na postagem passada, onde resenhei o sistema OVA, mas, devido ela ter saído no dia posterior ao evento, não houve tempo hábil para comentar sobre o que rolou. Falando do evento em si, ele foi ótimo — tivemos duas mesas (e uma terceira extra oficial) para que o pessoal pudesse experimentar diferentes jogos. Sobre a minha mesa de Ryuutama, três dos quatro jogadores que tive são membros aqui do site, que puderam sentir bem a experiência de jogar com este sistema fabuloso (e bem que poderiam comentar abaixo sobre opinando sobre como foi o jogo e o que acharam do Ryuutama, né? XD).

OVA – The Anime Role-Playing Game

Olá pessoas!
Na minha última postagem aqui no Santuário do Mestre eu fiz uma análise sobre as minhas primeiras impressões ao narrar Ryuutama, este RPG japonês fascinante que vem cada vez mais me cativando. Além disso, ontem no Terças de RPG, evento organizado aqui em Natal/RN pela equipe do Mundos Colidem, onde trazemos semanalmente duas mesas em modelo one-shot para a galera experimentar, eu narrei uma aventura pronta que criei para o sistema. Ainda há muito o que se falar sobre Ryuutama, por isso aguardem novidades. Mas voltando ao foco, hoje trago a vocês mais uma resenha de sistema. Quem acompanha as postagens do Santuário já percebeu meu gosto por animes, e hoje o sistema a ser esmiuçado é justamente sobre esta temática. Estou falando de OVA, The Anime Role-Playing Game.

Jogando Ryuutama

Olá pessoas!
Semanas atrás postei aqui uma resenha falando sobre um dos meus RPGs favoritos dos últimos tempos: o Ryuutama. Nela eu apresentei o jogo e resumi suas principais e diferentes mecânicas. Caso você não tenha a lido ou não se lembre do que falei, sugiro parar a leitura aqui e ler a postagem anterior a fim de se inteirar sobre o assunto. Pois bem, eu então consegui convencer meu grupo a jogar uma campanha usando o Ryuutama (com ajuda dos amigos Joka e Leish, também colaboradores do Mundos Colidem), e é o que viemos fazendo nas últimas semanas. Hoje o que vos trago é uma análise das minhas primeiras impressões do sistema, a construção da minha campanha e como as suas mecânicas únicas vêm se comportando em mesa.