Minhas impressões com o Demon Lord

Olá pessoas!
Aqui é o Tio Lipe e bem-vindos novamente ao Santuário do Mestre. Eu sei, eu sei, faz mais de quinze dias que não posto e as coisas meio que andam acumuladas aqui. De fato, meu ritmo de postagem está quase mensal, mas é por uma boa causa. Estou gastando muito do meu tempo organizando meus sistemas (sim, no plural) e tentando testá-los sempre que possível, principalmente durante os Encontros do Mundos Colidem que organizamos todo domingo aqui na cidade (além de jogar outras coisas).

Mas chega de papo e vamos à postagem de hoje. Para quem não se lembra (ou não viu), em julho deste ano eu fiz uma resenha sobre o Shadow of the Demon Lord. Hoje, com o livro em mãos e após ter jogado e narrado algumas sessões, posso expressar minha opinião preliminar sobre o jogo, além de falar um pouco do seu financiamento e do livro em si.

Pugmire e minhas primeiras impressões

Olá pessoas!
Aqui é o Tio Lipe e bem-vindos novamente ao Santuário do Mestre. Em minha última postagem, eu falei um pouco sobre o processo para a criação de um sistema, focando nas inspirações que geralmente temos quando pretendemos criar um. Hoje, contudo, farei uma nova resenha, mas especificamente de um jogo com uma premissa interessante e um sistema bem conhecido pela maioria dos RPGistas. Estou falando do Pugmire, que tive a oportunidade de testar domingo passado no Encontros Mundos Colidem de RPG, evento que realizamos aqui em Natal toda semana.

Resenha: Summerland

Olá galera, hoje vou falar sobre um RPG que poucos tiveram oportunidade de pôr as mãos, foi publicado pela Cubicle 7 em 2008 (a mesma do RPG O Um Anel que saiu pela Devir aqui no Brasil) e escrito por Greg Saunders. Auto-intitulado como “Um RPG de desolação e redenção dentro do Mar de Folhas” (tradução livre).

Resenha: Shadow of the Demon Lord

Olá, pessoas!
Vocês estavam esperando a continuação da adaptação de Naruto para Savage Worlds que eu sei, né? Entretanto, hoje falarei sobre outro assunto, só para variar um pouco. Resolvi fazer a resenha de um material que chamou minha atenção no ano passado e que agora, após a leitura da versão básica do seu PDF, posso afirmar com certeza que tem o potencial para reascender minha paixão por sistemas d20. Estou falando de Shadow of the Demon Lord (“Sombra do Lorde Demônio”, em tradução livre), que foi financiado com grandioso sucesso pela Pensamento Coletivo no final de 2016, chegando a ter um late pledge e ser o maior financiamento coletivo de RPG em terras nacionais em termos de valor arrecadado (até esta data). Antes de começar, porém, saibam que não julgarei aqui a qualidade do PDF apresentado pela editora. O objetivo deste texto é falar apenas do jogo em si, e não sobre um material que ainda nem está pronto (deixarei isto para quando tiver o livro físico em mãos, que espero que saia logo).

Resenha do Terra Devastada e Selvagem

Olá galera, recebi o remanescente do Financiamento Coletivo do Terra Devastada semana passada e trago hoje a vocês uma resenha sobre o livro Terra Devastada e Selvagem escrito por Fernando del Angeles baseado no livro de John Bogéa e pode ser adquirido na loja da Retropunk Editora. E também já vou dar uma criatura nova pra vocês no final do post. Bom vamos ao que interessa né.

Ravenloft – Masque of the Red Death and Other Tales

Olá,

Auspiciosa tarde, 2d8 leitores! Lembram sobre eu ter dito que ligaram a Adultessência no mode Nightmare? Pois é. A coisa ficou tão intensa e apertada que eu não tive tempo pra preparar algo pra coluna de hoje – e eu tinha sugestões boas, como a de glossário de termos que o Raphael Lima da coluna Nomos sugeriu para quem está começando nesse mundo teórico do RPG. Pra não deixar a coluna sem postagem, eu fui atrás de algum material que eu tinha publicado no Toca e lembrei desta “resenha” sobre o “Campaign Expansion: Masque of the Red Death”, suplemento de Ravenloft, que é o xodó dos xodós que tenho dentre os cenários da TSR para o AD&D.  Como no capítulo passado eu tinha feito um guia rápido sobre os cenários, acho que encaixaria bem colocar esta resenha. E é o que eu estou fazendo agora. 🙂

Evolution Pulse: primeiro playtest

No último Calango Lúdico, no dia nove de abril, finalmente tive a oportunidade de fazer um playtest público do Evolution Pulse, o RPG de horror pós-cyberpunk pós-apocalíptico que está em financiamento coletivo no Catarse pela editora estreante Fábrica. Apesar do pouco público devido à ameaça de chuva, contei com a presença de dois jogadores que aguardavam para conhecer Evolution Pulse. Para os personagens prontos, utilizei os modelos de fichas traduzidas para o EP que foram disponibilizadas na página do Catarse, além de criar alguns recursos extras:

  • Os props que usei (imagens e gráficos variados) para ambientar os jogadores no cenário, além de um sumário dos diferentes tipos de abordagens;
  • As fichas de personagem prontas, com dois executores diferentes de cada tipo;
  • Um conjunto de fichas de Hekath variadas, para servirem de oponentes.

OVA – The Anime Role-Playing Game

Olá pessoas!
Na minha última postagem aqui no Santuário do Mestre eu fiz uma análise sobre as minhas primeiras impressões ao narrar Ryuutama, este RPG japonês fascinante que vem cada vez mais me cativando. Além disso, ontem no Terças de RPG, evento organizado aqui em Natal/RN pela equipe do Mundos Colidem, onde trazemos semanalmente duas mesas em modelo one-shot para a galera experimentar, eu narrei uma aventura pronta que criei para o sistema. Ainda há muito o que se falar sobre Ryuutama, por isso aguardem novidades. Mas voltando ao foco, hoje trago a vocês mais uma resenha de sistema. Quem acompanha as postagens do Santuário já percebeu meu gosto por animes, e hoje o sistema a ser esmiuçado é justamente sobre esta temática. Estou falando de OVA, The Anime Role-Playing Game.

Resenha: Weird Wars – Tour of Darkness

Benvindo à selva, soldados! Na resenha de hoje, vocês serão levados ao Vietnã no — até agora — último livro das Weird Wars (Quem sabe eles façam um com uma guerra no futuro, nunca se sabe).  Se está curioso pra ver os anteriores leia as resenhas de Weird Wars Rome, Weird Wars 1 e Weird Wars 2 (este último já em financiamento coletivo pelo Catarse).

Bom, vamos ao que interessa.

Jogando Ryuutama

Olá pessoas!
Semanas atrás postei aqui uma resenha falando sobre um dos meus RPGs favoritos dos últimos tempos: o Ryuutama. Nela eu apresentei o jogo e resumi suas principais e diferentes mecânicas. Caso você não tenha a lido ou não se lembre do que falei, sugiro parar a leitura aqui e ler a postagem anterior a fim de se inteirar sobre o assunto. Pois bem, eu então consegui convencer meu grupo a jogar uma campanha usando o Ryuutama (com ajuda dos amigos Joka e Leish, também colaboradores do Mundos Colidem), e é o que viemos fazendo nas últimas semanas. Hoje o que vos trago é uma análise das minhas primeiras impressões do sistema, a construção da minha campanha e como as suas mecânicas únicas vêm se comportando em mesa.