África Século XXIII para Savage Worlds

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

 

Essa semana na Caixa do Lima (outrora Nomos), esta coluna onde que vos falo quinzenalmente, gostaria de entrar em um sistema — por puro atrevimento — cujas águas misteriosas mergulho lentamente, mas com algumas ideias fluindo neste oceano primordial. Como o título já adianta, estou falando do Savage Worlds (SW), um sistema que já está há alguns anos no mercado brasileiro, com um bom suporte de suplementos e cenários. Minhas primeiras experiências com o SW foram como jogador — e o sistema não me surpreendeu no ponto da empolgação e regras, pois tenho uma veia para coisas mais narrativistas — mas quando inverti a posição na mesa de jogo, e atuei como narrador em uma one-shot ambientada no universo de Blame!, as coisas mudaram e pude ver todo o potencial do sistema, que tem uma proposta simples e de fácil de adaptação para todos os cenários. Savage Worlds é uma ótima pedida para jogos rápidos, e quando digo rápidos não estou falando de jogos curtos — one-shots e aventuras rápidas — mas sim no sentido de que rapidamente conhecemos e dominamos as regras, construímos personagens e começamos a narrativa.

Pugmire e minhas primeiras impressões

Olá pessoas!
Aqui é o Tio Lipe e bem-vindos novamente ao Santuário do Mestre. Em minha última postagem, eu falei um pouco sobre o processo para a criação de um sistema, focando nas inspirações que geralmente temos quando pretendemos criar um. Hoje, contudo, farei uma nova resenha, mas especificamente de um jogo com uma premissa interessante e um sistema bem conhecido pela maioria dos RPGistas. Estou falando do Pugmire, que tive a oportunidade de testar domingo passado no Encontros Mundos Colidem de RPG, evento que realizamos aqui em Natal toda semana.

Resenha: Shadow of the Demon Lord

Olá, pessoas!
Vocês estavam esperando a continuação da adaptação de Naruto para Savage Worlds que eu sei, né? Entretanto, hoje falarei sobre outro assunto, só para variar um pouco. Resolvi fazer a resenha de um material que chamou minha atenção no ano passado e que agora, após a leitura da versão básica do seu PDF, posso afirmar com certeza que tem o potencial para reascender minha paixão por sistemas d20. Estou falando de Shadow of the Demon Lord (“Sombra do Lorde Demônio”, em tradução livre), que foi financiado com grandioso sucesso pela Pensamento Coletivo no final de 2016, chegando a ter um late pledge e ser o maior financiamento coletivo de RPG em terras nacionais em termos de valor arrecadado (até esta data). Antes de começar, porém, saibam que não julgarei aqui a qualidade do PDF apresentado pela editora. O objetivo deste texto é falar apenas do jogo em si, e não sobre um material que ainda nem está pronto (deixarei isto para quando tiver o livro físico em mãos, que espero que saia logo).

Guiamaniose dos Cenários de D&D da TSR e da WotC

Olá,

 

Saudações, 2d8 leitores! Como apontado no capítulo anterior do Lugar Nenhum, as últimas semanas não têm sido fáceis – alguém ativou o mode nightmare da Adultescência. Porém, desta vez eu consegui me organizar o suficiente pra trazer um capítulo com conteúdo novo, ao invés de reciclar algum material antigo do Toca. Mas antes de dar continuidade, gostaria de notificar que o Índice do D&D 5.0 foi atualizado com os novos materiais do Unearthed Arcana, mais precisamente: Arquétipos de Magos, Monges, Paladinos e Rangers; Classe Mystic; Feats de Perícia e Feats Raciais; Novas Cantrips; Regras aprofundada para Armadilhas, Downtown e Combate de Exércitos. Então, se você perdeu algum dos materiais, corre lá que o Índice está completamente atualizado.

Resenha: Inverno Eterno

Bem vindo ao Inverno Eterno, onde a neve e o clima hostil não são para os fracos, um jogo de sobrevivência medieval com toques tecnológicos sutis, descrito pelos autores como “um cenário não pós-apocalíptico”, ele está como uma das metas a ser batidas no financiamento do Weird Wars 2 pelo Catarse.

Pegue suas vestimentas de frio e nos acompanhe nessa jornada pelo mundo de Ehlerrac.

Mouse Guard para Savage Worlds

Olá pessoas!
No mês passado eu postei aqui um texto falando sobre como Adaptar para RPG. De fato, as explicações que apresentei nele são complementos e funcionam em conjunto com a postagem do tio Petras sobre Adaptações e a série que meu amigo Leishmaniose vem postando sobre como adaptar regras de outros sistemas para o seu favorito. Hoje eu resolvi dar um exemplo de como adaptar pegando emprestado um cenário que citei no meu texto anterior. Estou falando do incrível Mouse Guard, que foi adaptado para o Crônicas RPG pelo nosso colega Hélio lá na Estação das Brumas. E o sistema alvo desta adaptação será o Savage Worlds, lançado aqui no país pela Retropunk.

O Enclave do Arquimago

Saudações, nobres aventureiros e vis malfeitores.

Sejam bem-vindos ao Enclave do Arquimago, as ruínas de uma cidade flutuante caída em algum ponto da selva amazônica, que encerra um número incontável de tomosmágicos e mundanos – e portaisnem todos confiáveis – que levam a qualquer parte do multiverso.