Resenha: Weird Wars – Tour of Darkness

Benvindo à selva, soldados! Na resenha de hoje, vocês serão levados ao Vietnã no — até agora — último livro das Weird Wars (Quem sabe eles façam um com uma guerra no futuro, nunca se sabe).  Se está curioso pra ver os anteriores leia as resenhas de Weird Wars Rome, Weird Wars 1 e Weird Wars 2 (este último já em financiamento coletivo pelo Catarse).

Bom, vamos ao que interessa.

Capítulo 1: Welcome to the Jungle

Prontos para desbravar a selva? Começamos logo com um mapa do Vietnã para conseguirmos nos situar. Somos apresentados brevemente ao clima, criaturas do país, aos arquétipos e à dinâmica da ambientação Weird Wars de construção de personagens: Fileira Militar, Habilidades, Vantagens e Complicações (neste capítulo ainda temos os específicos para cenário), Equipamentos e Histórico do Personagem. Cabe falar aqui de algumas Vantagens legais, como Groundhog, que faz o personagem se misturar ao solo, concedendo uma proteção de -4 ao invés de -2. Assim como no seu antecessor temporal, o Weird Wars 2, vemos um quadro falando brevemente sobre mulheres nas fileiras e um outro com as Operações Especiais (historicamente, depois da Segunda Guerra Mundial, os EUA começaram a preparar suas forças militares em terrenos diversificados), como os Rangers (US Army), Marine Force Recon (Marines), SEAL (SEa Air Land), SAS (Special Air Service) e exércitos Australiano e Neo Zelandês. Diferente do Weird Wars 2, onde ainda vemos regras para civis, aqui o enfoque é a Guerra do Vietnã e civis não foram até lá, então com a exceção dos Vietcongues, dificilmente se encaixariam civis no cenário. E ainda compartilho de uma tristeza desde o Weird Wars 1, onde só fazem a citação à Legião do Crepúsculo (que apareceu cronologicamente no Weird Wars Rome) e que foi esquecido nos livros posteriores.

Por favor, Pinnacle, faça um suplemento com essa organização através dos tempos.

Capítulo 2: Setting Rules

As regras em si são as mesmas dos outros Weird Wars, as regra de Loucura, Suprimentos, Recompensas e Medalhas, Promoção, Suporte e Comunicações, Fogo de Suporte (com algumas tabelas). A regra que é diferente devido ao cenário é a de histórico, o Programa Chieu Hoi que trocando em miúdos, é um programa para mercenários Vietcongues; como funciona a Justiça Militar e os Crimes de Guerra (no livro é dito que soldados que atiram em inocentes são realmente punidos). Entendo que para não ter de ser comprado TODOS os Weird Wars, essas regras tem de ser explanadas sempre nos livros e apesar de parecerem repetitivas, se você já leu os anteriores, aconselho a pelo menos olhar as tabelas, pois é nelas que estará o diferencial — nos tipos de equipamentos disponíveis nesse cenário, até porque ele segue a historicidade do mundo em que vivemos.

Capítulo 3: Standard Gear and Vehicles

Aconselho a você, soldado, a guardar bem seus cartuchos, ou vai perdê-los todos, devido ao clima infernal daqui.

O capítulo aconselha logo de início a usar a regra sobre o peso carregado, visto que esse será um dos piores, se não o pior dos problemas que os jogadores enfrentarão. As armas aqui são distribuídas através de suas especialidades (morteiros, rifles e etc) e as armaduras (não as medievais, claro, ninguém seria doido de andar com uma proteção de mais de trinta quilos) se limitam a jaquetas e capacetes. Para deixar claro como é importante a regra sobre carregar muito peso, há um quadro tomando meia folha. E pra você que achava que iria andar a pé o tempo todo, existem veículos, e não só os americanos, mas franceses também, como o tanque M41 Walker Bulldog, um tanque leve, substituto do Chaffe da Segunda Guerra (essa parte do livro é um prato cheio pra aficionados por equipamentos). Todos os veículos são descritos com suas estatísticas para o sistema, como Aceleração, Velocidade Máxima, Resistência, Anotações (como as vantagens para os veículos), Custo, Armas e Tripulação. Vale destacar as novas Anotações para os veículos, como Inflamável (devido ao precário armazenamento de munição) e Tiro Único (que depois de atirar precisa ser recarregado fora da proteção pela tripulação, deixando-os vulneráveis).

Capítulo 4: War Master’s Intelligence

Apesar do livro conter muita informação militar mundana, cedo ou tarde acontecerão coisas estranhas na selva e vocês terão de lidar com isso.
Fotógrafo de guerra

A partir daqui o material é para mestres, mas  assim como nos outros posts, prometo dar o mínimo possível de spoilers pra você conseguir ter o máximo de surpresas na jornada.

Começamos o capítulo com uma explicação sobre a Indochina.

  • Vietnam do Sul: sua geografia, clima e governabilidade na época da guerra, bem como suas divisões militares;
  • Vietnam do Norte: uma breve explicação de sua organização;
  • Laos: sua distribuição geográfica, população e governabilidade;
  • Cambodja: sua distribuição geográfica, população, clima e governabilidade (o livro enfatiza essa parte);

Depois de situar a realidade da Indochina, começa uma breve história do Conflito no Vietnam (de forma a se encaixar no cenário das Guerras Estranhas), contando um pouco de onde começou (só irei citar alguns tópicos dessa seção, prometi não dar spoilers).

  • Section 1: Ancient History: aqui estão muitos dos mistérios. Desculpe, mas promessa é divida, não vou revelar mais nada (Heart of Darkness, Empires Lost and Found e Enter the Dragon, só pra dar um gostinho pelos títulos);
  • Section 2: The Recent Past: eventos anuais a partir de 1947 até 1953;
  • Section 3: Prelude to War: continua a contagem anual dos eventos que precedem a guerra, de 1959 até 1964;
  • Section 4: The War Years: finalmente chegamos ao evento de Fevereiro de 1965, e chegandoi até 1975, na Operação  Backdoor;

O livro também traz uma cronologia do Vietnã, começando em 1627, com a chegada do primeiro missionário católico e indo até 1975, com o final da Ofensiva do Vietnã do Norte e o colapso do Sul do Vietnã.

Capítulo 5: Running the Game

Aqui o Mestre da Guerra (nome dado ao narrador/mestre) verá as regras para criar a atmosfera de seus jogos. O livro recomenda que os jogadores misturem suas especialidades para cobrir o máximo possível (quem já joga RPG sabe disso, mas é sempre bom enfatizar).

Há um tópico com dicas de Tipos de Campanhas:

  • Campanhas padrão: os personagens criam soldados que são enviados para missões rotineiras, onde as coisas estranhas podem ocorrer ou os jogadores podem tomar conhecimento de algo estranho e se o narrador desejar, pode-se jogar sem os elementos fantásticos do cenário;
  • Campanha de Elite: os personagens fazem parte das Forças Especiais, na esperança de que possam lidar com desafios maiores, em especial com o Estranho, de forma melhor que no modo anterior;

Também temos as afamadas regras de Sanidade, já que vamos ter de lidar com o Estranho em algum momento, além de regras para minas e armadilhas, usadas à exaustão (quem assistiu Forest Gump vai se lembrar de um certo Tenente Dan), no período, com as regras de funcionamento e de como agir para detecta-las e desativa-las.

Os segredos na selva, como o Programa Fênix — que teoricamente funciona como uma Força Especial dentro de uma Força Especial — enviado para explorar histórias paranormais e contos estranhos. O capítulo dá dicas de como fazê-los funcionar no seu jogo com novas Vantagens exclusivas.

Capítulo 6: Operations

Esse capítulo traz dicas sobre batalhas em massa, com um gerador para ajudar nos momentos em que o narrador não planejou nada e várias tabelas para as tropas francesas e americanas, com suas missões, oposições, complicações. Uma afamada tabela de Encontros Aleatórios (comum em muitos RPGs da velha guarda), e tabelas de Estranhezas.

Chegada de um destacamento

Caso você esteja com preguiça de rolar os dados para fazer sua aventura, esse capítulo ainda o ajuda com aventuras prontas, escritas a partir de fatos históricos, como Zuan Nhan, com a data que ela ocorre, anotações do plot, forças inimigas, clima, equipamentos disponíveis e um pouco da história do local. Existem diversos outros locais de exemplo. Ao todo, são vinte aventuras prontas, bastando a você preencher algumas poucas lacunas em quase quarenta páginas de aventuras.

Capítulo 7: Hearts of Darkness

Aqui está o “bestiário” do cenário. Soldados, tanto vietnamitas quanto Australianos e Neozelandeses, tribos que vivem na Indochina e as criaturas estranhas das selvas, como os Macacos Demônios (criaturas invocadas no antigo Império Cham). Um apêndice de como as Formações Francesas estão distribuídas, incluindo as forças da Legião Estrangeira e as Formações Americanas, dentre elas a Companhia de Infantaria Leve, a Companhia de Infantaria dos Fuzileiros e o Destacamento das Forças Especiais A. Um Glossário para ajudar a usar termos da época e um quadro de página inteira de como se desdobraram as Forças dos EUA.


Bom, galera, espero que vocês tenham gostado; se gostaram, compartilhem com seus amigos (principalmente aqueles aficionados por filmes de guerra), se você desejar também disponibilizamos uns personagens pra jogar esse cenário aqui. Nos acompanhem pelo Facebook e até a próxima!

Comentários

Deixe um comentário

Por favor, seja educado, nós do Mundos Colidem apreciamos isso. Seu endereço de e-mail não será publicado e os campos necessários serão marcados.