O Senhor dos Anéis FAE – Habilidades Raciais

Os filhos dos Elfos que são os mais velhos; O Anão cavador das casas escuras; O Ent da terra, da idade dos montes; O Homem mortal senhor dos cavalos.

— Barbávore, As Duas Torres

 

Olá, Camaradas!

 

Nas últimas semanas temos utilizado esse espaço para dialogar com os iniciantes, em especial no artigo A Aventura vai Começar, que sugiro a leitura, por aqueles que desejam saber alguns métodos de como iniciar uma aventura. Mas nessa semana vamos voltar a falar sobre a adaptação para O Senhor dos Anéis para o Fate Acelerado a qual estou trabalhando desde o final de 2016, e que já tem duas partes publicadas aqui no Mundos Colidem: a primeira abordando as Regras de Corrupção; e a segunda, A Mágica Sutil da Terra Média.

Em meados de 2003 tive contato com O Senhor dos Anéis em RPG, no sistema CODA. Sou um grande fã da obra do Professor Tolkien e rpgista desde 1995, além de narrador desde 1999. Fui convidado a jogar uma aventura, contextualizada no ano de 1974 da Terceira Era, sobre a fuga de Arvedui: O Último Rei. A campanha não terminou e o grupo debandou, mas a semente estava plantada. Dois anos depois adquiri o livro do CODA e comecei os preparativos para iniciar minha campanha em 2006, que também foi intitulada Arvedui: O Último Rei. Eu precisava terminar a narrativa, se não como jogador, então como narrador.

A experiência com o CODA gerou uma trilogia de campanhas intituladas, Arvedui: O Último Rei; Soron-Hên: O Anel da Visão; e A Sombra da Lua. Campanhas que iniciaram em 2006 e foram concluídas em 2012, com a participação de um grupo de sete jogadores.

Em 2012, conheci o Um Anel, que tem uma abordagem bem diferente do sistema CODA, mas que não deixa nada a desejar, além de ser um ótimo material para inserir jogadores iniciantes no universo rpgístico com abordagem tolkeniana. Mas ambos os sistemas ainda não atendiam completamente aos meus anseios — eu precisava de conjunto de regras narrativista, algo que o Fate me proporciona hoje. Não pretendo reinventar a roda, mas adaptar aspectos possíveis do CODA e do Um Anel para a utilização em Fate/FAE, para que eu possa ter o aspecto narrativo que me gusta bastante.

Você não conhece o Fate/FAE? Sugiro a leitura do artigo O que é RPG? postado na Encruzilhada dos Mundos, pelo nosso Grande Papai Smurf.

Na primeira postagem intitulada Regras de Corrupção, foi debatida a opção pelas abordagens em três, Coração, Esperteza e Corpo; ao invés das seis usuais, Cuidadoso, Esperto, Estiloso, Poderoso, Ágil e Sorrateiro. Nas próximas postagens, gostaria de fazer uma explanação mais ampla sobre essa escolha, aproveitando o ensejo para disponibilizar uma listagem de pericias para os que desejam ter a experiência do SdA para o Fate Básico. O teste de corrupção é feito com base em uma ação de Superar, de acordo com os modificadores de situações apresentados anteriormente; no caso de falha, o personagem adquire um ponto de corrupção, marcado ao lado da sua abordagem Coração, que é a base para o teste.

Na segunda postagem, A Mágica Sutil da Terra Média, apresentei as regras para a utilização de habilidade mágicas e a justificativa pela opção da sutileza abordada no sistema Um Anel, onde tais habilidades estão associadas a raças e não a classes, diferentemente do Sistema CODA. Os custos são altos; mesmo a mágica não sendo poderosa como nos cenários de alta magia, o que demanda a responsabilidade do personagem e dos seus atos. Para o acesso à mágica, os personagens devem ter Aspectos, Abordagem e Façanhas que se relacionem. Uma atualização da mesma regra que deixo como sugestão extra, é o custo em caixas de estresses, em caso de falhas no uso de magia.

Habilidades Raciais

Por nossos esforços, o povo selvagem do Leste ainda não avançou, e o terror de Morgul é mantido sob controle.

— Boromir, A Sociedade do Anel

 

As habilidades raciais serão tratadas como aspectos, e assim sendo, seguem as regras normais de aspectos do Fate Básico ou Fate Acelerado. O que gostaria de explanar aqui é a opção por dois métodos de inserir essas habilidades em suas campanhas de Fate/FAE. A primeira, é sobre as habilidade fazerem parte dos aspectos iniciais do personagem, que são em um total de cinco; devido a isso, optei por deixar todas as raças com apenas três habilidades/aspectos raciais. E na segunda, elas seriam habilidades extrarraciais, que poderiam ser invocadas. Sabemos pelos sistemas de RPG sobre SdA anteriores e pela literatura tolkeniana, que algumas raças — como os elfos — têm uma infinidade de habilidades.

  • 1ª opção: as habilidades fazem parte dos aspectos iniciais dos personagens, mas o jogadxr ainda deve definir o conceito e a dificuldade, sendo os demais aspectos preenchidos pelas habilidades raciais.
  • 2ª opção: as habilidades/aspectos são extrarraciais e ficam anotados no verso da ficha; a cada sessão o jogador tem a sua primeira invocação grátis de qualquer habilidade, mas após a primeira invocação, ele só pode ser utilizado por meio de gasto de pontos de destino. Os jogadores não vão invocar cada habilidade de graça na primeira vez, apenas uma delas. A segunda invocação, independente de qual, seja tem o seu custo normal.

Anões

  • Engenho
  • Duro como Pedras
  • Incorruptível à Sombra

Elfos

  • Sentidos Élficos
  • Sono Élfico
  • Recuperação Rápida

Hobbits

  • Seis Refeições ao Dia
  • Povo Pequeno
  • Duro como Velhas Raízes de Árvores

Homens

  • Adaptável
  • Corajoso
  • Vida Passageira (Homem Médio) / Longevidade (Dunedains)

 

Essas são as habilidades raciais, de acordo com a proposta de raças que acredito que sejam disponíveis para personagens jogadorxs. Aproveitando o ensejo, gostaria de dar duas sugestões aos amigxs que decidirem narrar SdA FAE: primeiro, a leitura do artigo Narrando na Terra Média, e reforçar que em O Senhor dos Anéis, o personagem principal é a Terra Média; os jogadores fazem parte dela, mas ela atua como um protagonista em toda a história. Descrevam os locais, façam os jogadores se sentirem imersos no cenário — no caso específico do SdA, imersão é tudo.

Segundo, para aqueles que desejam fazer as suas próprias adaptações, recomendo a leitura dos textos dos meus camaradas: Petras, Adaptações; de Leish, Adaptando Regras; e o do Tio de Leish, Adaptando para RPG. Nestes artigos, os autores falam um pouco de suas experiências com adaptações, além de compartilhar métodos e sugestões para os leitores fazerem suas primeiras adaptações.

Aos amigxs que estão me perguntando sobre quando sairá o PDF completo dessa adaptação, eu respondo que pretendo concluí-lo ainda em 2017, mas por enquanto vou realizando testes e postando em série as partes desenvolvidas nessas experiências. Ainda pretendo escrever sobre Itens Lendários, Orcs e uma aventura para o playtest e feedback da comunidade.

 

Até breve!

Comentários
Adaptação FAE Fate Acelerado Lima Nomos RPG SdA Senhor dos Anéis

raphalimma

Nascido em 23 de setembro de 1982. Filho de Mércia, Filho de Emília, Natalense, RPGista, Marxista, Cientista da Religião, Historiador, Professor, Pai de Marianna e Theo, Casado com Daniella, Egiptologo, amante da obra de Tolkien e Lovecraft, apreciador de uma boa cerveja. Entusiasta de sistemas narrativistas, enamorando o fate e suas possibilidades. Autor do Medievo RPG. Em constante pesquisa sobre a inserção da narrativa interativa na educação. Ainda procurando uma finalidade para esse mundo.

4 Comentários

  1. Olá!
    Bacana. Bem simples e direto. Só não entendi uma coisa: é pra ter um Aspecto único pra raça, pra adquirir os 3 Aspectos ou escolher quais quer ter?

    Até and Bye…

    • Raphael Limasays:

      Olá Tio, funciona como se fosse um kit. Se o jogador decide por um elfo batedor da Floresta das Trevas, ele pega o “kit” de habilidade raciais, que são os aspectos. Exemplo: são cinco aspectos, o jogador escolheria Elfo batedor da Floresta das Trevas (Conceito), Não gosto de anões (Dificuldade), Sentidos Élficos, Sono Élfico e Recuperação Rápida (habilidades/aspectos raciais). Espero que tenha conseguido esclarecer a proposta. Até breve!

    • Jokasays:

      Ele sugere duas alternativas Tio. A primeira é que todos os aspectos raciais substituem os aspectos normais (com exceção do conceito e problema). Na segunda, todos os aspectos raciais ficam no verso da ficha e a primeira invocação de UM deles é grátis. Basicamente é isso.

      Excelente adaptação manolo Lima. Falta só o PDF final com o material reunido bonitinho. =D

    • Olá!
      Agora saquei!

      Até and Bye…

Deixe um comentário

Por favor, seja educado, nós do Mundos Colidem apreciamos isso. Seu endereço de e-mail não será publicado e os campos necessários serão marcados.