Moana: Um Mar de Aventuras para Fate Acelerado

Saudações Navegantes!

Após ter assistido o filme Moana: Um Mar de aventuras trinta e uma vezes com a minha filhota e fazermos algumas brincadeiras, tinha que sair algo, e claro que seria uma adaptação para Fate Acelerado, que na verdade não tem nada demais. E ela bebe bastante da fonte do Jadepunk; não sei nem se devo chamar de adaptação, mas sim de apontamentos sobre a obra e ideias para se aplicar no FAE. Antes de apresentar as regras dessa proposta, que consiste em transformar as abordagens em profissões e algumas sugestões de regras para velejar, vou falar um pouco do enredo do filme e dos seus personagens.

As respostas estão no horizonte tão longe, ninguém tentou, mas hoje eu vou.

— Moanna

Enredo

Te Fiti, a deusa da criação, criou toda a vida e se tornou uma ilha. E o seu coração, uma pequena pedra pounamu, que todos cobiçavam e acreditavam ter o poder da criação, foi roubado pelo semideus Maui para presentear os humanos. Maui possui um anzol mágico que lhe dá o poder de se transformar em outros animais. Em sua vaidade, o semideus fazia tudo pelos mortais para ser amado. Após roubar o coração de Te Fiti, ele encontra o Te Ka, um demônio de terra e fogo, que desejava o poder da criação. O embate com Te Ka fez com que o anzol de Maui e o Coração de Te Fiti desaparecessem no oceano. Com o sumiço do coração, que dava estabilidade à criação, as ilhas passaram a sofrer com os efeitos do mal se espalhando e alcançando ilha após ilha.

Um milênio mais tarde, enquanto Moana (uma criança) brincava na praia, ela salvou a vida de uma jovem tartaruga. Pelo seu gesto gentil e altruísta, o oceano a escolheu para carregar o coração de Te Fiti e restaurar a ordem do mundo. Mas ela é resgatada pelo pai, que a vigiava constantemente devido aos seus anseios e sua atração pelo mar, tal como sua Avó Tala. Moana, agora uma adolescente, tem a responsabilidade de se tornar a próxima chefe da ilha, por insistência do seu pai, mas devido à estreita amizade com sua avó Tala, mantém seu sonho de navegar pelos mares e enfrentar a proibição ancestral. Mas a pedido dos pais e pensando no seu povo, ela desiste e aceita o seu “destino” de ser a líder de seu povo.

Mas os males causados pela a desestabilização do mundo chegam à sua ilha: os peixes desapareceram das praias da vila e os cocos estão estragados. Moana insiste em ir além do recife para pegar mais peixes, mas apenas causa a irritação do seu pai, que mais um vez é confrontado pelo desejo da filha de navegar além dos recifes e enfrentar um tabu ancestral da tribo. Sina, a mãe de Moana, confessa que seu pai age assim por causa da perda de seu amigo mais íntimo, quando eles viajaram pelas águas implacáveis uma noite em sua juventude.

Moana tenta navegar para além dos recifes, mas os barcos usados atualmente na tribo não são adequados para as navegações em alto mar. Após um acidente, ela encontra a sua avó na praia. Tala mostra a Moana uma caverna secreta escondida atrás de uma cachoeira. Nela estão os barcos a vela que seus antepassados criaram e junto com eles, a história real do seu povo. Assim, Tala conta que ela foi a escolhida pelo oceano para entregar o coração de Te Fiti e dar fim à maldição que se desencadeou com o sumiço do coração e que chegou às ilhas. Moana procura o seu pai, crendo que tinha encontrado uma solução, mas apenas o consegue irritar mais ainda, fazendo com que ele decida queimar todos os barcos. Durante a sua discussão com o pai, a avó de Moana cai doente e vem a falecer, mas no seu leito de morte ela incentiva sua neta a velejar pelos mares, encontrar Maui e restaurar o coração de Te Fiti.

O filme tem todos os elementos da jornada do Héroi: o “Chamado”, quando o oceano escolhe a criança Moana e lhe entrega o Coração de Te Fiti, que depois é entregue novamente pela sua avó na adolescência. A “Recusa”, quando por desejo do pai, Moana resolve abandonar seu desejo de navegar pelos mares para assumir sua função como líder da tribo. O “Problema”, quando a maldição chega à ilha e começa a afetar a vida da tribo. A “Partida”, quando ela decide que tem que partir em busca de Maui e restaurar o Coração de Te Fiti, pondo fim à maldição. O “Auxílio do Sobrenatural”, que é a alma de sua avó que se tornou uma arraia que a acompanha no momento de maior necessidade. A “Apoteose”, quando o problema é resolvido e ela reorganiza o caos do mundo e tem o seu “Retorno”, onde o heroi volta modificado ao seu local de partida e é festejado pelos locais.

Mas sente o desejo de partir novamente.

Personagens

Maui

Como ele mesmo se intitula: Maui, Transmorfo, Semideus da Água e do Ar, Heroi do mundo. Maui foi uma criança abandonada pelos humanos no oceano e que foi adotada pelos deuses, se tornando assim um semideus. Na sua jornada para agradar os seres humanos, fez muitas coisas que foram cantadas por eles e que estão em suas tatuagens espalhadas pelo corpo. Mas o seu maior erro foi roubar o coração de Te Fiti.

Aspectos: Semideus, Abandonado pelos Humanos, Homem Mais Forte do Mundo, Portador do Anzol da Transformação, Guerreiro de Muitas Batalhas.

Profissões: Guerreiro +5, Pescador +4

Bom (+2): lutar e exibição.

Ruim (-2): esconder e debater.

Estresse: 6

Anzol do Maui

O anzol de Maui dá ao semideus o poder de mudar a sua forma. A mais conhecido é a de um grande falcão que voa sobre os oceanos. Após a roubar o Coração de Te Fiti, Maui perdeu o seu anzol e ficou preso em um ilha até ser encontrado por Moana, partindo em busca do seu querido anzol.

Custo: Guerreiro +5

Aspecto: Transformação, Artefato dos Deuses.

Bom (+2): ataque e defesa.

Ruim (-2): esconder.

Estresse: 6 caixas

Consequências: Moderada e severa

Tamatoa

Um caranguejo gigante que governa o reino dos monstros, que tem a a sua carapaça brilhante tornada impenetrável devido às pedras preciosas nela incrustadas, devido à sua ganancia por coisas preciosas (alguém pensou em Smaug?). Mais do que tudo, ele deseja o Coração de Te Fiti, pois acredita que pode ter o poder da criação para si.

Aspectos: Gigante, Megalomaníaco, Casco Duro, Pinças Gigantes e Colecionador.

Profissão: Chefe +4 e Guerreiro +4

Bom (+2): cantar e intimidar.

Ruim (-2): negociar e avaliação.

Estresse: 10

Kakamora

Esses coquinhos parecem inofensivos individualmente, mas são piratas perigosos quando atacam em grupo. E também estão em busca do Coração de Te Fiti. Eles atacam com espadas feitas de ossos e zarabatanas com dardos tranquilizantes.

Aspecto: Um por Todos e Todos por Um.

Bom (+2): ataque surpresa e atividades em grupo.

Ruim (-2): autonomia e força.

Estresse: 5 a 10 caixas (atacam em grupos de 5 a 10)

Profissões

O Fate acelerado tem abordagens (Ágil, Cuidadoso, Esperto, Estiloso, Poderoso e Sorrateiro) que recebem as pontuações que vão de +0 à +3, substituindo as pericias do Fate Básico. Nessa proposta para o FAE, vamos transformar as abordagens em profissões (tal como acontece no Jadepunk), que desempenharão as funções da vida social da tribo, onde o enredo da história se desenrola.

  • Agricultor (a): responsável por atividades ligadas à terra, como cultivar, cuidar e coletar ervas, frutas e verduras.
  • Artesão (a): responsável pelos utensílios construídos para a facilidade da vida cotidiana da tribo, como cestos, vasos, lanças, casas e barcos. Artes como dança e música estão nessa profissão.
  • Chefe (a): é referente a capacidade de liderança do personagem em pequenos grupos e em trabalhos locais. O personagem com maior pontuação nessa profissão e um aspecto que indique a sua experiência, será o líder da tribo.
  • Curandeiro (a): conhecedor de ervas, dos males do corpo e do espírito. Faz a mediação entre o mundo dos mortais e dos deuses.
  • Guerreiro (a): os defensor da tribo e dos costumes ancestrais, especialista na luta corporal. O jogador que interpretar (representar mesmo, não apenas anunciar que está fazendo) o Haka durante um luta, ganha um ponto de destino automaticamente.
  • Pescador (a): responsável pela pesca e navegação nas regiões dos recifes. Poucos ainda guardam o conhecimento para a navegação em mar aberto, devido à proibição ancestral de não ultrapassar os recifes. Mas no coração de cada um dorme um navegante, que detém todos os conhecimentos necessários para adentrar em mar aberto.

Regras para Navegação

O vento eu domei como eu quis (…) para o povo velejar feliz.

— Maui

Velejar sempre foi uma jornada ao desco

Comentários
Adaptação FAE Fate Acelerado Lima Nomos RPG

raphalimma

Nascido em 23 de setembro de 1982. Filho de Mércia, Filho de Emília, Natalense, RPGista, Marxista, Cientista da Religião, Historiador, Professor, Pai de Marianna e Theo, Casado com Daniella, Egiptologo, amante da obra de Tolkien e Lovecraft, apreciador de uma boa cerveja. Entusiasta de sistemas narrativistas, enamorando o fate e suas possibilidades. Autor do Medievo RPG. Em constante pesquisa sobre a inserção da narrativa interativa na educação. Ainda procurando uma finalidade para esse mundo.