Como apresentar “sistemas pesados” a jogadores iniciantes

Saudações, aventureiros.

Após uma semana de quinze dias, retorno ao Enclave do Arquimago, e no artigo de hoje vou falar um pouco sobre como tenho apresentado sistemas considerados pesados à jogadores iniciantes, dentro do projeto Mundos de Dados e Papel, que coordeno na Instituição de ensino que leciono.

As ferramentas que me auxiliam na condução de campanhas de RPG

Saudações, aventureiros.

No artigo de hoje do Enclave do Arquimago, vou falar um pouco sobre como faço o planejamento de minhas sessões, incluindo as ferramentas que utilizo, portanto, teremos um artigo mais voltado para mestres iniciantes.

Esteja Preparado: Magos Iniciantes

Saudações, aventureiros.

Após narrar uma aventura old school nas férias, me deparei com uma situação que, pela primeira vez jogando esses sistemas, me fez questionar se os magos são realmente inúteis nos primeiros níveis ou se os jogadores apenas não se preparam para as primeiras aventuras de forma adequada.

Este é o tema da matéria do Enclave do Arquimago desta semana.

Especialista, Assassino ou Ladrão?

Saudações, aventureiros.

Hoje vou falar brevemente – não tenho o talento para produzir compêndios com os demais colunistas do MC – sobre o Especialista, uma das quatro classes do Lamentations of the Flame Princess (LotFP) e normalmente chamamos de ladino.

A questão, é que essa classe consegue ser muito mais do que um simples ladino.

Oficina de Narração em Macapá/AP

Saudações, amigos.

Recentemente fui convidado à ministrar uma Oficina de Narração aqui em Macapá/AP. O convite partiu do Daniel Coimbra, um dos sócios da Magic Mountain Geek Store, loja especializada em coisas geeks aqui na cidade.

Nos próximos parágrafos vou falar um pouco mais sobre o que rolou nessa oficina e quais as minhas impressões.

Ideias de narração diretas do DMG 4ª Edição

Saudações, aventureiros.

Há pouco tempo me questionei sobre a validade das dicas de narração provenientes de outros sistemas e, independente das edições, as dicas continuam sempre válidas.

No artigo de hoje vou trazer algumas dicas apresentadas no Livro do Mestre do D&D 4ª Edição, que ao contrário do que alguns pensam, não está morto, e a despeito do que um grupo de jogadores acredite, trouxe muitas dicas legais sobre narração — e é sobre ela que vou falar.

Da mesma forma que um escritor de romance, peça ou filme, o mestre cumpre o papel essencial de contar aos jogadores o que está acontecendo no mundo do jogo. Para que o jogo funcione bem, é necessário fornecer uma boa descrição para que os jogadores montem a cena em suas imaginações.

Guilda de Ladrões: Os Ladrões das Sombras

Saudações, aventureiros.

Os históricos dos personagens (backgrounds) de Dungeons & Dragons 5e, tem a função de conectá-los ao mundo no qual suas aventuras se desenvolverão, fornecendo também algumas vantagens, contudo estas são concedidas apenas em uma escala inicial e são as organizações que passam a cumprir este papel nos níveis mais elevados.

No artigo anterior falei um pouco sobre as Guildas de Ladrões e hoje apresentarei um exemplo de guilda, criada a partir das recomendações apresentadas no Dungeon Master’s Guide e inspirado na mais famosa guilda de ladrões dos Reinos Esquecidos.

Guilda de ladrões

Elas estão um pouco sumidas das edições mais recentes de Dungeons & Dragons, mas já desempenharam um papel importante em edições anteriores.

As referências às Guildas de Ladrões são encontradas esparsamente no Player’s Handbook e algumas poucas referências no Dungeon Masters Guide da 5ª edição, mas definitivamente, quase nada é dito sobre elas.

No artigo de hoje vamos falar um pouco sobre as guildas de ladrões e como elas se encaixam em um cenário medieval.

Um monstro, uma campanha

Para o artigo desta semana, havia pensado em fazer uma conversão do personagem Adão, Senhor Sombrio de Ravenloft para a quinta edição, mas percebi que não valeria o esforço, pois o que eu faria não seria uma conversão, mas um ou dois ajustes.

Pensei então em falar sobre “o sistema não importa”, mas aí percebi que isso só levaria a discussões desnecessárias e então me lembrei de um artigo que escrevi um tempo atrás e que repostei no Diário de Campanha sobre os Valpurgeist, criaturas típicas de Ravenloft e que me inspirou para este artigo.

Armas de família para D&D 5E

“A espada já estava na família há décadas. Alguns diziam que era feita de metal estelar e que tinha poderes mágicos, tendo salvado a vida de todos aqueles que as empunharam muitas vezes. A verdade é que nenhum deles estava vivo para confirmar as histórias e nenhum deles morrera de velhice.”

O equipamento que um personagem de primeiro nível possui, pode ser comprado, herdado, roubado, etc. Quando herdado, este equipamento pode trazer uma longa história e uma oportunidade única de incorporar elementos à narrativa – especialmente as armas.