Índice Mundos Colidem FAE

Olá eu sou o Lima, Raphael Lima.

 

Essa semana, na Caixa do Lima (outrora Nomos), esta coluna onde vos falo quinzenalmente, apresento a vocês o índice de artigos sobre o Fate Acelerado que foram publicados no Mundos Colidem. Um pouco de história (ou estória, como preferirem): na última reunião anual do MC, que ocorre no mês de dezembro, foi levantada a questão sobre produção de artigos para iniciantes, para aqueles que ouviram falar, jogaram, mas ainda não entendem o que é RPG. Com essa demanda constatada, algumas diretrizes foram estabelecidas, e duas são especiais para esta coluna:

  1. produzir material autoral digital gratuito; no qual estamos atingindo os objetivos, e aproveito o ensejo e os convido a conhecerem o Medievo RPG: Fantasia Medieval na Baixa Idade Média e o Sobreviventes: um jogo minimalista de sobrevivência pós-apocalíptica;
  2. produzir material acessível para iniciantes, tais como dicas para narradores, resenha de sistemas amigáveis e artigos sobre teoria do RPG, que podem ser encontrados também nas colunas Encruzilhada dos Mundos e Espaço Mítico, domínios dialéticos do “Papai Smurf” Petras Furtado e de Joka, uma das poucas criaturas que mantém a sanidade nesse caos onde Mundos Colidem.

Gostaria de agradecer aos leitores do MC que sugeriram a compilação desse índice de postagens do Fate Acelerado, e que atendendo aos desejos dos que anseiam por mais aventuras prontas, adaptações, fichas e dicas para o sistema estamos tentando voltar a normalidade, e em breve teremos novidades. O índice vai trazer apenas as postagens referentes a adaptações, criação e sugestão de regras e produções de cenários autorias do MC.  As postagens sobre fichas de adaptações e as resenhas de sistemas ficaram de fora dessa lista, por não serem o objetivo desta compilação.

“Vocês estão prontos, crianças?”
“Estamos, capitão!”

Bob Esponja, abertura

Sobreviventes: um jogo minimalista de sobrevivência pós-apocaliptica

Sim, este é outro jogo sobre o apocalipse zumbi. A diferença é a sua proposta para jogos curtos e casuais, onde o jogador é uma sobrevivente, tentando alcançar um tipo de santuário cuja existência ela descobriu ao longo de sua jornada, através das histórias de outros sobreviventes. Mas a sua localização é desconhecida. Nada é certo.

— Sobreviventes

A Jornada do Narrador em Medievo

Olá eu sou o Lima, Raphael Lima.

 

Essa semana no Nomos, esta coluna que vos falo quinzenalmente daremos sequência a postagem sobre a Jornada do Herói no Medievo, dessa vez intitulada A Jornada do Narrador em Medievo. Na postagem anterior, abordamos a mecânica de construção de personagens e neste texto pretendo trazer algumas orientações para os narradores que pretendem narrar Medievo: um esboço sobre o tema e tom do cenário, dicas para a organização de uma aventura, interpretação e improviso, criando desafios e as ferramentas do narrador.

A Jornada do Herói em Medievo

Olá, eu sou o Lima, Raphael Lima.

 

Esta semana no Nomos, a coluna onde vos falo quinzenalmente, volto a falar sobre o Medievo RPG, um sistema de minha autoria que venho desenvolvendo desde meados de 2015. Mas dessa vez não vamos apresentar o Medievo novamente, mas sim debater mais alguns aspectos pertinentes do sistema e apresentar atualizações, conforme se desenrolam seus playtests nos eventos de RPG aqui em Natal, além das mesas dos colaboradores.

Quem ainda não conhece o Medievo, pode baixar o Livro de Regras do Medievo RPG: Fantasia Medieval na Baixa Idade Média, em formato de playtest e começar a rolar dados e acompanhar as atualizações que rolam nessa coluna.

Moana: Um Mar de Aventuras para Fate Acelerado – Parte III

Saudações, navegantes!

 

Nas últimas duas semanas apresentei alguns apontamentos sobre uma “adaptação” de Moana: Um Mar de Aventuras para Fate Acelerado, onde mais uma vez acreditei que estaria finalizando essa série sobre a princesa Disney polinésia, mas o Fate Ferramentas do Sistema — lançado recentemente pela Solar Entretenimento — está fazendo questão de me mostrar que ainda existe muito a ser abordado nessa proposta, e dessa vez não direi que esta será a última postagem. Escrever sobre Moana para FAE, tem sido muito especial para mim, pois fazia tempo que não escrevia com tantas ideias, fluindo cada vez mais facilmente. Como professor e pai, a obra infantil sobre a cultura polinésia — que assisti mais duas vezes nessa última semana — contabilizando 33 visualizações — é emocionante e inspiradora para conhecermos mais sobre a cultura Maori.

Moana: Um Mar de Aventuras para Fate Acelerado – Parte II.

Saudações, navegantes!

 

Na última semana compartilhei uma ideia, a adaptação de Moana: Um Mar de Aventuras para Fate Acelerado e encerrei a postagem falando que se um dia voltasse – por isso chamei de apontamentos, pois não tinha a intenção de trabalhar essa proposta – a mexer nessa adaptação, falaria sobre embarcações.

E segundo o ditado popular, “nunca diga nunca”, em menos de uma semana, graças ao feedback positivo da comunidade e piadinhas internas no Mundos Colidem – alguns pediam até adaptação de Princesinha Sofia – retorno com a segunda parte dos apontamentos para Moana: Um Mar de Aventuras para Fate Acelerado.

Moana: Um Mar de Aventuras para Fate Acelerado

Saudações Navegantes!

Após ter assistido o filme Moana: Um Mar de aventuras trinta e uma vezes com a minha filhota e fazermos algumas brincadeiras, tinha que sair algo, e claro que seria uma adaptação para Fate Acelerado, que na verdade não tem nada demais. E ela bebe bastante da fonte do Jadepunk; não sei nem se devo chamar de adaptação, mas sim de apontamentos sobre a obra e ideias para se aplicar no FAE. Antes de apresentar as regras dessa proposta, que consiste em transformar as abordagens em profissões e algumas sugestões de regras para velejar, vou falar um pouco do enredo do filme e dos seus personagens.

Medievo: Testes de Vontade

Olá, pessoal!

Mesmo com os dias turbulentos dos últimos meses, as produção no Mundos Colidem seguem em alta. Ah sim, a quest que me atormentou durante a última postagem foi vencida, mas terminei apenas com um ponto de vida. Mas ainda assim, foi vencida e empalada. Não acredito que ela retorne — não agora, pelo menos. E eu estou aqui, pela segunda vez fazendo uma postagem de última hora; perdoem-me os erros.

No último domingo, o evento Calango Lúdico completou um ano, em sua 13ª edição de forma brilhante, cumprindo seu objetivo de ser um evento aberto, servindo como espaço de integração entre todas as tribos, unificando jogadores iniciantes e experientes em prol da diversão lúdica, do aprendizado e da troca de informações.

As Terças de RPG seguem se consolidado como espaço para playtest de sistemas e técnicas narrativas, sendo nesse dia que vocês podem conferir algumas da produções autorais do Mundos Colidem em testes abertos para todos que estiverem interessados e conhecer novos narradores e jogadores. As informações sobre os playtests e mesas disponíveis nas Terças de RPG estão na fan page do Mundos Colidem. E quando falo sobre produção autoral, estou me referindo ao Medievo e o Nova Amsterdã, sendo o segundo uma parceria com o Joka do Espaço Mítico.

Viajar é Preciso: Regras de Jornadas para Medievo

Olá, pessoal!

Após um pequeno hiato, volto a publicar no Nomos, ainda tentando reorganizar o caos metafisico que se encontra no meu Amenti, devido às atividades da vida adulta. Mas ao rabiscar essas palavras, percebo que a quest que me impediu de publicar nas últimas semanas ainda não foi vencida e espero que em nosso próximo encontro possamos cantar e beber a vitória do dever cumprido.

E nesse retorno venho com novidades sobre o Medievo que gostaria de compartilhar com os poucos e fiéis leitores desse espaço.

Medievo: Jogo de Teste 3.0

Olá Camaradas!

Postagem dessa sexta é curtinha, e não foi feita de última hora como a outra (mentira, foi também). Pois venho trazer para vocês algo que os leitores desse micro/macro espaço já conhecem, o Medievo RPG. Um sistema que foi desenvolvido com base nas minhas experiências no uso da narrativa interativa em sala de aula, durante as atividades das disciplinas de Ensino Religioso e História. Para os que não sabem, sou professor e desde meados de 2012, comecei a inserir o RPG nas minhas aulas.  Na última postagem abordei as Oficinas Interativas que ministro em minhas aulas e realmente não esperava a repercussão e os contatos, inclusive na escola onde leciono, pois alguns companheiros nem sabiam da existência (e persistência) de tal atividade. E entre alguns desses contatos, as conversas foram sobre como o Medievo estava se tornando um cenário bem definido e com características próprias, mas que a produção do material de RPG voltada para a prática docente necessitava de algo mais genérico, que pudesse abordar todas as temáticas.