Youkais para Storytelling

Olá,

Feliz Ano Novo Chinês, caros 2d8 leitores! Talvez muitos aqui já saibam, mas várias nações do Oriente seguem um calendário diferente do calendário Gregoriano, que é o utilizado aqui no Ocidente. Eles seguem o Calendário Chinês, um calendário lunissolar, que leva em conta tanto as fases da lua como a posição do sol – tanto que o ano novo chinês começa na noite de lua nova mais próxima do dia em que o sol passa pelo décimo quinto grau de Aquário. Pela tradição chinesa, cada ano está vinculado a um dos doze animais que atenderam ao chamado de Buda para uma reunião. Atualmente estamos no ano do Galo, que teve início na última lua nova, no dia 28 de janeiro de 2017 pelo calendário ocidental. E em homenagem a esta festividade, trago uma postagem contendo uma adaptação de Youkais, criaturas míticas da mitologia japonesa, para o sistema Storytelling, do Chronicles of Darkness.

Sweet Agatha – A verdade vem aos pedaços

Sweet Agatha é um jogo narrativo para duas pessoas que gravita ao redor do desaparecimento súbito de Agatha, a doce Agatha. Pistas levam a um enredo que deve ser desvendado em dez cenas que podem levar a reviravoltas e desfechos imprevisíveis. Aqui no Mecanismo Obscuro vamos dar uma olhada nas inovações da sua proposta de mistério colaborativo, e nas possibilidades narrativas dessa empreitada de Kevin Allen Jr.

RPG (e Fate acelerado) para Iniciantes

Olá. Este artigo faz parte de uma série sobre o que é RPG e como ele funciona. Aqui na Encruzilhada dos Mundos, vamos mostrar algumas definições bem claras e simples — e para servir de exemplo, vamos falar sobre as regras de um RPG em especial: Fate Acelerado.

Começando com o Savage Worlds

Olá galera, esse é um daqueles posts pra galerinha que ainda não conhece o Savage Worlds e morre de vontade de conhecer o basicão sobre ele. Mas se você já conhece o sistema e quer dar uma olhada no que que já foi postado no site sobre ele, pode pular pro fim do post (e se mesmo assim, você ainda gastar um minutinho lendo, muito obrigado pelo seu tempo).

Brincando com Fate

Olá Camaradas!

O Nomos está voltado as suas postagens regulares, agora nas sextas, após esse breve recesso do Mundos Colidem. E o papo continua sendo o Fate. Em 2016, fui agraciado com o retorno às minhas aulas no nível Fundamental II, onde desde 2012, passei a utilizar o RPG como ferramenta metodológica em sala de aula.

Nas aulas de História (através de um projeto pedagógico que faz uso do RPG no ensino da disciplina), desenvolvi o RPG Medievo e em 2013, em uma parceria com o também professor Robson Carmo, passamos a desenvolver atividades com alunos do 4º e 5º ano do ensino Fundamental e acabamos desenvolvendo o cardgame A Guerra dos Bárbaros, um hack de O Hobbit, de Martin Wallace.

Mas qual o objetivo de desenvolver atividades com RPG na escola?

Dobradores para Savage Worlds

Olá galera, decidi dessa vez fazer um post rápido sobre os dobradores de forma simplificada — a intenção é incluir eles onde você desejar, não somente na ambientação da animação Avatar: a Lenda de Aang.

Basic Roleplaying Game (BRP)

No artigo de hoje vou falar um pouco sobre o Basic Roleplaying (BRP), um sistemas de regras criado em 1978 para RuneQuest. O sistema desenvolvido apresentava regras mais fáceis e intuitivas do que de outros RPGs que existiam na época, especialmente o D&D.

No Brasil, o sistema ficou conhecido pela ambientação de horror Call of Cthulhu, cuja sexta edição foi traduzida pela equipe da Terra Incógnita em 2014. O Sistema Daemon, do RPG Trevas (1997), utiliza um sistema de resolução muito parecida com o BRP, o que me faz acreditar que o autor tenha sido fortemente influenciado pelo BRP quando escreveu o seu sistema.

Neste primeiro artigo vou falar sobre um pouco do histórico do BRP, para em seguida falar sobre alguns títulos mais próximos de D&D, assim como alguns elementos que podem ser utilizados em D&D facilmente.

Guerra dos Bárbaros

Olá, sou o Lima, Raphael Lima.

O Nomos (que no futuro será Caixa do Lima) vem com uma postagem especial de fim de semana, para compartilhar com vocês um protótipo que encontrei em meios a tomos antigos, referente ao ano de 2014, em uma parceria com o amigo e professor Robson Carmo. O Guerra dos Bárbaros é um cardgame que usa um baralho comum com um hack das regras do maravilhoso cardgame O Hobbit, de Martim Wallace.

O tema escolhido para o jogo vem do contexto da Guerra dos Bárbaros, conflito que ocorreu em meados do século XVII, devido à expansão da ocupação portuguesa no Brasil. Entre vários conflitos, essa proposta se concentra naquele que ocorreu na capitania do Rio Grande, às margens do rio Assú.

GUERRA DOS BÁRBAROS – DOWNLOAD

Raças Sobrenaturais para D&D 5.0

Olá,

Feliz Ano Novo, meus caros 2d8 leitores! Como foram de reveillon? E como o ano novo se iniciou com vocês? Aqui no site do Mundos Colidem tivemos mudanças! Uma nova coluna surgiu, a Mecanismo Obscuro, sob a regência do fantástico Gabriel Lopes, que trará postagens tratando de RPGs indies, storygames e tudo que ele achar que está na penumbra de jogos de interpretação de papéis. E com esta mudança, o dia da coluna Lugar Nenhum passa a ser oficialmente na terça, acabando (supostamente) com aquela novela que vocês acompanharam ao longo do semestre passado. 😀 Mas não, este ano eu não estou mais organizado, o que isso quer dizer é que estou escrevendo esta postagem em plena madrugada da Terça. Mas vamos ao que interessa.

S/Lay w/Me: fantasia pulp e narrativa compartilhada (para dois)

Mecanismo Obscuro é a mais nova coluna do Mundos Colidem. Para mim é uma maneira não apenas de reencontrar velhos amigos, mas também de escrever e retomar ideias e experiências vividas no mundo dos jogos de ficção. Nesse espaço me proponho a tratar não apenas de jogos com mecânicas inusitadas e elementos pouco convencionais, mas também de refletir sobre conceitos, ideias e regras da casa.

Nessa primeira transmissão do Mecanismo Obscuro vou apresentar um dos meus jogos prediletos para duas pessoas.  O S/Lay w/Me alinha elementos modernos dos jogos de narrativa compartilhada, combinado a um roteiro e clima pulp da velha guarda. É também um jogo fantasmagórico, rápido e mortal. Que girem as engrenagens…