The Witcher RPG

Saudações, aventureiros.

É impossível não se encantar pelo maravilhoso mundo de The Witcher, seja através dos livros, dos jogos ou do seriado – certo, é possível não se encantar com o seriado.

Uma pesquisa na internet revela uma interessante iniciativa de adaptação do cenário para D&D 5E, mas já existe um projeto oficial em andamento e as expectativas são as melhores.

Sangria nas Crônicas das Trevas

Olá, caro Viajante, seja bem vindo! Esta é a Taverna no Fim do Multiverso e eu sou…

— Senhor Gilgan!!!

— Olá, Glimp, o que houve? Com licença, Viajante, já volto…

Damphirs para D&D 5.0

Olá,

Já tem rolado um boato de que o sertão vira mar quando eu conseguir postar novamente na segunda… E desta vez o atraso foi homérico, visto que só agora na terça pela manhã eu consegui sentar pra escrever este material – torcendo pra que esteja pronto pelo menos pra estar já no site na primeira parte da tarde. Ainda assim, aguardarei mais uma postagem pra ver se mudo de vez a data pra terça ou mantenho na segunda, conforme anunciado no capítulo anterior do Lugar Nenhum. E vamos em frente que atrás vem gente! /o/

Técnicas narrativas III – Robin Laws of Good Game Mastering

A resenha desta semana é o Robin Laws of Good Game Mastering, escrito pelo autor homônimo, trazendo dicas e sugestões para narradores e até game designers que

Tokusatsu para Savage Worlds (Savage-Satsu)

Olá galera, hoje na Coluna Pontos de Ignição, dando um descanso no cenário, trago a vocês hoje uma adaptação para Savage Worlds de um dos temas que estouraram nos anos 80 e 90 no Brasil — e vou apresentar de forma resumida a história desse estilo de show live-action japonês e umas regras rápidas para começar a jogar com seus amigos.

[ainda sobre] O que é Indie?

Nas últimas semanas esta questão tem voltado à tona em determinados grupos virtuais e físicos de RPG em que participo. E a comunidade rpgística continua a não tem uma noção básica, muito menos consensual, do que seja o termo — esse debate eu fiz no antigo blog do Mundos Colidem em janeiro de 2016 e agora o retomo mediante as conversas observadas.

Ervas para a herbalista

Os jogos eletrônicos podem nos inspirar. Alguns títulos nos inspiram muito e nenhum outro título tem me inspirado mais do que The Witcher 3: Wild Hunt e suas expansões Stone Heart e Blood and Wine.

Baseado nesta inspiração, no artigo de hoje vou apresentar uma ideia para aventura tirada diretamente de uma missão do Blood and Wine para D&D 5E.

Aproveitem.


Chilli Beans no Oeste Estranho

Olá, viajante, seja bem vindo à Taverna no Fim do Multiverso. Eu sou Gilgan, seu anfitrião, e espero que tudo aqui esteja a seu gosto. O meu chapéu novo lhe agrada? Ah, obrigado! Claro, como tudo e todos em meu humilde estabelecimento, este chapéu também tem uma história, que compartilho agora com você.

Vampiros para D&D 5.0

Olá,

E chegamos a mais uma semana Yin e a mais um capítulo da coluna Lugar Nenhum! É, eu sei… Está novamente atrasado. Estou pensando com meus botões e linhas se não seria melhor eu migrar logo pra terça e ser honesto intelectualmente comigo mesmo de que não conseguirei nas segundas. Na verdade, já teria tomado esta decisão se o motivo de atraso desta vez não fosse por algo “justo”: domingo ocorreu a 4ª edição do Calango Lúdico, o evento mensal de RPG que ocorre aqui em Natal e do qual faço parte da organização. Como foi um incidente excepcional, aguardarei mais duas postagens da coluna para saber se consigo mesmo postar periodicamente na segunda ou se vou descaradamente pra terça.

Terraplana 3: Arquétipos do cenário

Bom galera, espero que tenham gostado do que tenho descrito do cenário — se ainda não leu a ambientação do cenário e o conto de introdução, ainda está em tempo. Hoje venho até vocês um pouco atrasado, é verdade, mas foi para que melhorias fossem feitas. Os arquétipos serão apresentados de forma temática e como sei que vocês desejam desbravar o mundo lá fora, começarei pelos desbravadores: Os pilotos de Mecha e um exemplo de Mecha além dos Avataris (como são chamados os usuários de avatares no cenário) com um exemplo de avatar.

Mas antes de falar dos arquétipos, vejamos as peculiaridades sobre as regras do cenário.